Em NY, Dilma defenderá ajuste e reforma da ONU

Durante o discurso de abertura da 70ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, na segunda-feira, 28, a presidente Dilma Rousseff irá destacar os avanços obtidos no Brasil, como ter atingido antecipadamente as chamadas Metas do Milênio, redução da desnutrição, da mortalidade infantil e materna e dos avanços em educação, e mencionará os esforços do governo para sair rapidamente da crise econômica; estratégia é convencer o mercado externo da solidez da economia brasileira; presidente vai defender ainda a reforma da ONU, mais ampla do que apenas a do Conselho de Segurança, com a qual o Brasil tem se debatido nas últimas duas décadas

Durante o discurso de abertura da 70ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, na segunda-feira, 28, a presidente Dilma Rousseff irá destacar os avanços obtidos no Brasil, como ter atingido antecipadamente as chamadas Metas do Milênio, redução da desnutrição, da mortalidade infantil e materna e dos avanços em educação, e mencionará os esforços do governo para sair rapidamente da crise econômica; estratégia é convencer o mercado externo da solidez da economia brasileira; presidente vai defender ainda a reforma da ONU, mais ampla do que apenas a do Conselho de Segurança, com a qual o Brasil tem se debatido nas últimas duas décadas
Durante o discurso de abertura da 70ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, na segunda-feira, 28, a presidente Dilma Rousseff irá destacar os avanços obtidos no Brasil, como ter atingido antecipadamente as chamadas Metas do Milênio, redução da desnutrição, da mortalidade infantil e materna e dos avanços em educação, e mencionará os esforços do governo para sair rapidamente da crise econômica; estratégia é convencer o mercado externo da solidez da economia brasileira; presidente vai defender ainda a reforma da ONU, mais ampla do que apenas a do Conselho de Segurança, com a qual o Brasil tem se debatido nas últimas duas décadas (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff irá cobrar, em seu discurso na abertura da 70ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), uma reforma ampla da instituição que dê mais poder à própria Assembleia Geral, mas também aproveitará a plateia internacional para mencionar os esforços que estão sendo feitos pelo Brasil para sair rapidamente da crise econômica.

Dilma deve chegar na madrugada desta sexta-feira a Nova York --o horário de saída do Brasil ainda não está definido por conta das negociações sobre a reforma administrativa-- e já na manhã do mesmo dia assiste ao discurso do Papa Francisco na ONU. O discurso da presidente brasileira, que abre a Assembleia Geral, será na manhã da próxima segunda-feira.

De acordo com fontes do Palácio do Planalto, a economia não deverá ser a parte central da fala da presidente, que se centrará na reforma da ONU, no orgulho de o Brasil ter atingido antecipadamente as chamadas Metas do Milênio --com a redução da desnutrição, da mortalidade infantil e materna e dos avanços em educação-- e no engajamento nas Metas de Desenvolvimento Sustentável.

Ainda assim, Dilma irá aproveitar o fórum internacional para defender as medidas de ajuste que o Brasil está tomando e garantir que fará todo o possível para que o país saia rapidamente da crise.

A avaliação do governo é que tentar convencer o mercado externo da solidez da economia brasileira é tão ou mais importante do que acalmar o mercado interno, já que as impressões externas se refletem no país.

Nos últimos meses, a presidente deu entrevistas a órgãos financeiros internacionais e em Nova York há também previsão, ainda não confirmada, de que tenha conversas com a mídia.

Dilma iniciará sua fala com um tema recorrente na diplomacia brasileira, a reforma da ONU. No entanto, ao elogiar os 70 anos da instituição, o tom do discurso será uma cobrança mais ampla por reformas do que apenas a do Conselho de Segurança, com a qual o Brasil tem se debatido nas últimas duas décadas.

A presidente cobrará mais poder para a Assembleia Geral, afirmando que só uma Assembleia atuante será capaz de dar conta de temas da atualidade que estão sendo debatidos à margem da ONU, como a questão dos refugiados. A reforma, dirá Dilma, precisa ser ampla e envolver todas as instituições do sistema ONU para fazer jus ao mundo atual, 70 anos depois da criação das Nações Unidas.

Ao tocar na questão dos refugiados, a presidente irá reforçar o orgulho do Brasil ser um país mestiço, formado por imigrantes de todas as partes do mundo, e dirá que o país está de braços abertos para receber refugiados. Dilma reforçará a ideia de que essa mistura faz do Brasil um país melhor.

Ela ainda participará, na manhã de domingo, da sessão plenária da Conferência das Nações Unidas para a Agenda do Desenvolvimento Pós 2015, onde vai apresentar as metas de redução de emissão de gases do efeito estufa que o Brasil irá levar para a Conferência das Partes 21, em Paris, em dezembro deste ano.

A previsão é que a presidente volte ao Brasil ainda na segunda-feira.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247