Empresário do ABC nega a Moro que chantageou PT

Réu na Lava Jato, o empresário Ronan Maria Pinto negou em depoimento à Justiça Federal a denúncia feita por Marcos Valério, de que ele teria ameaçado o ex-presidente Lula e outros petistas a lhe dar R$ 6 milhões, no episódio do prefeito Celso Daniel, de Santo André, assassinado em 2002

Réu na Lava Jato, o empresário Ronan Maria Pinto negou em depoimento à Justiça Federal a denúncia feita por Marcos Valério, de que ele teria ameaçado o ex-presidente Lula e outros petistas a lhe dar R$ 6 milhões, no episódio do prefeito Celso Daniel, de Santo André, assassinado em 2002
Réu na Lava Jato, o empresário Ronan Maria Pinto negou em depoimento à Justiça Federal a denúncia feita por Marcos Valério, de que ele teria ameaçado o ex-presidente Lula e outros petistas a lhe dar R$ 6 milhões, no episódio do prefeito Celso Daniel, de Santo André, assassinado em 2002 (Foto: Gisele Federicce)

247 - Em depoimento ao juiz Sérgio Moro, o empresário do ABC Paulista Ronan Maria Pinto negou ter feito ameaças a dirigentes petistas, para quem teria pedido R$ 6 milhões, no episódio do prefeito Celso Daniel, de Santo André, assassinado em 2002.

A denúncia havia sido feita pelo publicitário Marcos Valério, também em depoimento à Justiça Federal, na semana passada. Segundo Valério, Ronan, que é réu na Lava Jato, teria pedido o dinheiro para comprar o jornal Diário do Grande ABC.

Em seu depoimento, Valério disse que Ronan ameaçou o ex-presidente Lula e os ex-ministros José Dirceu e Gilberto Carvalho. A informação teria sido contada ao publicitário pelo ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira.

Ele confirmou ter sido procurado para fazer "uma movimentação do dinheiro" que supostamente iria para Ronan, mas desistiu. O dinheiro, segundo soube, teria sido movimentado depois pelo pecuarista José Carlos Bumlai. Valério declarou que não sabia o motivo da chantagem de Ronan.

Assista aqui ao depoimento de Ronan a Moro.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247