Famílias de Marielle e Anderson reafirmam que são contrárias à federalização das investigações

Crise na Polícia Federal será argumento da Defensoria Pùblica contra federalização do Caso Marielle. O julgamento do caso está marcado para o próximo dia 27, na 3ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ)

Marielle Franco
Marielle Franco (Foto: Mídia Ninja)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A crise provocada pelas mudanças no comando da Polícia Federal (PF) será um dos argumentos das famílias da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, representadas pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro, contra a federalização das investigações. 

O defensor público Pedro Carriello, que fará no julgamento a sustentação oral em nome das famílias, dirá que a confusão criada em torno da troca do diretor-geral da PF faz das instituições fluminenses - Polícia Civil e Ministério Público do Rio de Janeiro - um “ambiente mais seguro” para as investigações em andamento, informa O Globo

A vereadora Marielle Franco foi assassinada em março de 2018 junto ao motorista Anderson Gomes.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247