Famílias rechaçam relatório da Air France

No Brasil e na Frana, parentes de vtimas consideram relatrio oficial sobre acidente do voo 447 uma forma de ajudar a Air France a escapar do pagamento de indenizaes mais pesadas

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O presidente da Associação de Parentes das Vítimas do Voo 447 da Air France, Nelson Faria Marinho, criticou hoje, no Rio, o relatório do Escritório de Investigação e Análise da França (BEA), divulgado hoje. O documento apontou erros sucessivos dos pilotos durante a queda da aeronave, no dia 31 de maio de 2009.

"Isto é uma forma de testar a opinião pública para ver se a tese de falha humana é aceita. Nas aeronaves atuais, o piloto não faz nada além de decolar e aterrissar. Todo o efeito dominó que resultou na queda do avião começou com o congelamento das sondas pitots, que inviabilizou a leitura de velocidade e desativou o piloto automático", afirmou Marinho. Segundo ele, a opinião é compartilhada pela associação alemã de parentes das vítimas do 447.

Em junho de 2009, a Air France trocou os sensores de velocidade e já opera com os novos equipamentos. No entanto, Marinho afirma que a aeronave possui outras falhas e tenta desde a posse uma audiência com a presidente Dilma Rousseff. "Tenho um relatório de 750 páginas do Sindicato dos Pilotos da França, que aponta várias falhas. No entanto, o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) da Aeronáutica só pode investigar com ordens da presidente, que até agora não recebeu nossa comissão", disse Marinho.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email