Frente evangélica tenta adiar julgamento do STF sobre criminalização da homofobia

Parlamentares ligados à Frente Evangélica no Congresso querem que o Supremo Tribunal Federal (STF) adie o julgamento sobre a criminalização da homofobia, marcado para a tarde desta quinta-feira (13); pedido de adiamento visa dar tempo para que o assunto seja tratado pelos parlamentares no âmbito do Poder Legislativo, por meio de um projeto apoiado pela bancada evangélica na Câmara

Frente evangélica tenta adiar julgamento do STF sobre criminalização da homofobia
Frente evangélica tenta adiar julgamento do STF sobre criminalização da homofobia
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Parlamentares ligados à Frente Evangélica no Congresso querem que o Supremo Tribunal Federal (STF) adie o julgamento sobre a criminalização da homofobia, marcado para a tarde desta quinta-feira (13). Segundo o deputado federal Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), o pedido de adiamento visa dar tempo para que o assunto seja tratado pelos parlamentares no âmbito do Poder Legislativo, por meio de um projeto apoiado pela bancada evangélica. Até o momento, seis ministros do STF já votaram por enquadrar a homofobia como crime semelhante ao de racismo, ampliando as penas previstas pela legislação.

Segundo o blog da jornalista Andréia Sadi, a proposta do deputado Sóstenes prevê aumento de um terço até a metade da pena no caso de condenação por assassinato ou agressão motivada pela orientação sexual vítima. O projeto foi protocolado esta semana e a bancada evangélica deverá pedir a sua tramitação em caráter de urgência.

"O texto do meu PL eu garanto apoio da ampla maioria da Frente Parlamentar Evangélica, desde que o STF respeite a decisão soberana do parlamento. Temos compromisso em aprovar esse texto; até porque no entendimento de qualquer cristão, ninguém deve agredir ou matar alguém por sua condição sexual", afirmou Sóstenes.

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247