Invasores têm armas e tomaram aldeia no Amapá, denunciam indígenas

Um grupo de 10 a 15 homens foi responsável pelo assassinato de líder Emyra Waiãpi na semana passada; crime não está dissociado das declarações do presidente Jair Bolsonaro de que pretende legalizar mineração e garimpos em terras indígenas

(Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Reportagem de Fabiano Maisonnave e Rubens Valente no UOL informa que um grupo de 10 a 15 homens foi responsável pelo assassinato de líder waiãpi na semana passada, no estado do Amapá.   

Segundo a reportagem, os invasores da aldeia indígena, portando armas de grosso calibre, ocuparam a Terra Indígena Waiãpi, no oeste do Amapá.   

A invasão da aldeia dos waiãpis resultou no assassinato do líder Emyra Waiãpi, na semana passada.   

O crime não está dissociado das declarações do presidente Jair Bolsonaro de que pretende legalizar mineração e garimpos em terras indígenas.   A política indigenista hostil de Bolsonaro é um estímulo a ações criminosas como a que vitimou a aldeia Waiãpi.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247