Funaro fecha delação e deve entregar Temer

Apontado como operador de propinas de Eduardo Cunha, Lúcio Funaro firmou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal que poderá deixar ainda mais frágil o governo de Michel Temer, já atingido pela delação da JBS; após meses de negociação, o acordo de Funaro deve ser assinado ainda nesta terça-feira 22; em depoimento à Polícia Federal, Funaro já havia declarado que Temer sabia do pagamento de propinas na Petrobras e que teria orientado a distribuição de dinheiro desviado da Caixa Econômica Federal; antes de fechar o acordo, o operador disse que "ainda havia o que entregar" em relação à participação de Temer nos desvios investigados

Apontado como operador de propinas de Eduardo Cunha, Lúcio Funaro firmou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal que poderá deixar ainda mais frágil o governo de Michel Temer, já atingido pela delação da JBS; após meses de negociação, o acordo de Funaro deve ser assinado ainda nesta terça-feira 22; em depoimento à Polícia Federal, Funaro já havia declarado que Temer sabia do pagamento de propinas na Petrobras e que teria orientado a distribuição de dinheiro desviado da Caixa Econômica Federal; antes de fechar o acordo, o operador disse que "ainda havia o que entregar" em relação à participação de Temer nos desvios investigados
Apontado como operador de propinas de Eduardo Cunha, Lúcio Funaro firmou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal que poderá deixar ainda mais frágil o governo de Michel Temer, já atingido pela delação da JBS; após meses de negociação, o acordo de Funaro deve ser assinado ainda nesta terça-feira 22; em depoimento à Polícia Federal, Funaro já havia declarado que Temer sabia do pagamento de propinas na Petrobras e que teria orientado a distribuição de dinheiro desviado da Caixa Econômica Federal; antes de fechar o acordo, o operador disse que "ainda havia o que entregar" em relação à participação de Temer nos desvios investigados (Foto: Paulo Emílio)

247 - Apontado como operador de propinas do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Lúcio Funaro firmou um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF) que deverá ser assinado ainda nesta terça-feira 22.

A informação foi noticiada pelo jornalista Jailton de Carvalho, em reportagem no Globo. Segundo ele, os termos da delação foram acertados entre os advogados do réu e os procuradores do Ministério Público em reunião que se estendeu até meia-noite desta terça.

As negociações já duravam meses. Em declaração recente à imprensa, Funaro havia dito que não concordava com o acordo oferecido pelo MPF, por conta do tempo que o órgão exigia que ele ficasse preso em regime fechado.

Apesar dos detalhes não terem sido revelados, a expectativa é que a delação de Funaro implique diretamente Michel Temer e cerca de 40 outros políticos em esquemas de propinas no âmbito da Petrobras. Antes de fechar o acordo, o operador havia dito: “ainda há o que entregar” em relação à participação de Temer nos desvios investigados. 

Após o acordo ser formalizado, os documentos e provas de crimes dos quais Funaro participou ou teve conhecimento serão enviados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF) para homologação.

Em depoimento à PF, ele já havia declarado que Temer sabia do pagamento de propinas na Petrobras. E que o peemedebista também teria orientado a distribuição de dinheiro desviado da Caixa Econômica Federal.

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão
Brasil

Mourão: quem manda é o Bolsonaro

Ocupando interinamente a Presidência, enquanto Jair Bolsonaro está no hospital, o general Hamiton Mourão concedeu entrevista ao jornal Correio Braziliense na qual buscou evitar qualquer conflito...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247