Fux critica judicialização e diz que STF só interfere em questões políticas quando é provocado

Fala do ministro vem em um momento no qual o Supremo sofre ataques de Jair Bolsonaro e seus apoiadores, que discordam de decisões em inquéritos que investigam ameaças contra a democracia

Sessão solene de posse do ministro Luiz Fux na Presidência do STF (10/09/2020)
Sessão solene de posse do ministro Luiz Fux na Presidência do STF (10/09/2020) (Foto: Fellipe Sampaio /SCO/STF)
Siga o Brasil 247 no Google News

Sputnik Brasil - Para presidente do Supremo, "a grande virtude das Cortes constitucionais é a virtude passiva". Declarações do ministro vêm em momento tenso entre Executivo e Judiciário no Brasil.

Nesta terça-feira (14), em evento on-line, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, negou que haja, por parte da Corte, um processo sistêmico de judicialização de questões políticas no Brasil, de acordo com o Correio Braziliense.

"Eu, cada vez, mais me conscientizo de que a judicialização da política e das questões sociais são uma expressão absolutamente equivocada. Porque a jurisdição não é uma função que possa ser exercida de ofício, é uma função provocada", explicou o presidente da STF em evento virtual da Fundação Getulio Vargas.

PUBLICIDADE

A fala do ministro vem em um momento no qual o Supremo sofre ataques do presidente, Jair Bolsonaro, e de seus apoiadores, que discordam de decisões que têm resultado em inquéritos que investigam ameaças contra a democracia.

"Toda vez que o Supremo Tribunal Federal interfere numa questão política, a realidade é que os políticos provocam a judicialização porque na arena própria não conseguem fazer vencer as suas pretensões", justificou.

PUBLICIDADE

Segundo a mídia, durante sua participação no evento, Fux falou sobre as mudanças sofridas pelo Estado brasileiro desde a década de 1990, quando houve um movimento relevante de desestatizações, e sobre questões técnicas que envolvem o exercício eficiente da regulação.

"A grande virtude das Cortes constitucionais é a virtude passiva. É decidir não decidir, devolver o problema para a esfera própria", pontuou.

PUBLICIDADE

 Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email