Fux pede ao ministro André Mendonça que investigue venda de dados de integrantes da Corte

O ministro do STF Luiz Fux enviou ofícios ao ministro André Mendonça (Justiça) e ao ministro da Corte Alexandre de Moraes pedindo investigação sobre a suposta venda de dados de integrantes da Corte

Ministro do STF Luiz Fux
Ministro do STF Luiz Fux (Foto: Luiz Silveira/Agência CNJ)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux enviou um ofício (íntegra - 58 KB) para o ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, pedindo investigação sobre suposta venda de dados de ministros da Corte. Um ofício parecido (íntegra - 55 KB) foi enviado ao ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news, que investiga a divulgação de notícias falsas e ameaças contra os integrantes do tribunal.

"Considerando a notícia veiculada no jornal 'O Estado de São Paulo' sobre a comercialização de dados dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, remeto este ofício a Vossa Excelência, bem como ao Relator do Inquérito 4781-STF, que apura ameaças aos magistrados desta Corte, para providências que considerem pertinentes", disse o ministro.

De acordo com reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, as estatísticas, que correspondem a documentos e materiais de 2012 a 2020, estão divididos em 37 categorias. 

Confira abaixo:

"Básico Simples (CPF, nome completo, sexo, gênero e data de nascimento); Básico Completo; E-mail; Telefone; Endereço; Mosaic (um serviço oferecido pelo Serasa); Ocupação; Score de Crédito; Registro Geral; Título de Eleitor; Escolaridade; Empresarial; Receita Federal; Classe Social; Estado Civil; Emprego; Afinidade; Modelo Analítico (dados bancários, pacotes de internet e seguros); Poder Aquisitivo; Fotos de Rostos; Servidores Públicos; Cheques sem fundos; Devedores; Bolsa Família; Universitários; Conselhos; Domicílios; Vínculos; LinkedIn; Salário; Renda; Óbitos; IRPF; INSS; FGTS; CNS; NIS e PIS", disse.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email