Gilmar denuncia “festival de abusos” da Lava Jato

"É um festival de abusos" exclamou Gilmar na sessão da última quinta (7), no STF", escreve o colunista Bruno Boghossian; "Na quarta (13) o STF deve decidir se libera a condução à força de acusados para interrogatórios. Gilmar vetou esse método e disse que, nesses casos, o conduzido é tratado como culpado. Também atacou entrevistas coletivas de investigadores durante as operações, obtendo apoio de Dias Toffoli e Cármen Lúcia", destaca

"É um festival de abusos" exclamou Gilmar na sessão da última quinta (7), no STF", escreve o colunista Bruno Boghossian; "Na quarta (13) o STF deve decidir se libera a condução à força de acusados para interrogatórios. Gilmar vetou esse método e disse que, nesses casos, o conduzido é tratado como culpado. Também atacou entrevistas coletivas de investigadores durante as operações, obtendo apoio de Dias Toffoli e Cármen Lúcia", destaca
"É um festival de abusos" exclamou Gilmar na sessão da última quinta (7), no STF", escreve o colunista Bruno Boghossian; "Na quarta (13) o STF deve decidir se libera a condução à força de acusados para interrogatórios. Gilmar vetou esse método e disse que, nesses casos, o conduzido é tratado como culpado. Também atacou entrevistas coletivas de investigadores durante as operações, obtendo apoio de Dias Toffoli e Cármen Lúcia", destaca (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "É um festival de abusos" exclamou Gilmar na sessão da última quinta (7), no STF", escreve o colunista Bruno Boghossian, na Folha. "Quatro anos após o início da era de operações em série inaugurada pela Lava Jato, Gilmar Mendes lidera uma força tarefa para estabelecer limites ao emprego de ferramentas que turbinaram as ações anticorrupção". "Na quarta (13) o STF deve decidir se libera a condução à força de acusados para interrogatórios. Gilmar vetou esse método e disse que, nesses casos, o conduzido é tratado como culpado. Também atacou entrevistas coletivas de investigadores durante as operações, obtendo apoio de Dias Toffoli e Cármen Lúcia".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247