Gilmar Mendes volta a criticar militares por “ocupar o Ministério da Saúde” e pede: “Que isso seja revisto”

Os militares estão ocupando o Ministério da Saúde e precisam sair já. Esta é a opinião de Gilmar Mendes, ministro do STF, num tweet na tarde deste domingo: ““Não me furto (...) a criticar a opção de ocupar o Ministério da Saúde predominantemente com militares.”

Ministro Gilmar Mendes
Ministro Gilmar Mendes (Foto: Fellipe Sampaio /SCO/STF)
Siga o Brasil 247 no Google News

 247 - O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), voltou a criticar acidamente os militares na tarde deste domingo (12). Num tweet, qualificou a presença inusitada de militares no Ministério da Saúde de ocupação e pediu que o assunto seja revisto: “Não me furto (...) a criticar a opção de ocupar o Ministério da Saúde predominantemente com militares. A política pública de saúde deve ser pensada e planejada por especialistas, dentro dos marcos constitucionais. Que isso seja revisto, para o bem das FAs e da saúde do Brasil”.

Na véspera, Mendes, havia atacado duramente os militares, num debate online promovido pela revista IstoÉ e pelo Instituto Brasiliense de Direito Público. Disse que o Exército “está se associando a um genocídio”, referindo-se ao fato de o Ministério da Saúde estar há quase dois meses sob o comando interino do general Eduardo Pazuello. Já foram nomeados mais de 20 nomes ligados às Forças Armadas para cargos de alto escalão na pasta.

Neste domingo Gilmar Mendes postou duas vezes no twitter. Leia:

PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email