Governo Bolsonaro pressiona para aprovar na Câmara pacote 'anticrime' de Moro

Preocupado com as derrotas que tem sofrido no grupo de trabalho da Câmara, o governo está intensificando manobras e pressões para aprovar o projeto "anticrime" do ministro Sergio Moro. Assassinato da menina Ágatha aumentou a rejeição à licença para matar que integra o projeto

Sergio Moro e a menina Agatha
Sergio Moro e a menina Agatha (Foto: Marcos Corrêa/PR | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo Bolsonaro intensificou nesta segunda-feira (23) as pressões para forçar a aprovação do pacote "anticrime" do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro (Justiça).  

O grupo de trabalho que analisa o projeto já deu indicações de que vai vetar seus pontos mais controversos após o assassinato da menina Ágatha Félix no Rio.   

Um destes pontos é a licença para matar revinidicada pelo governo Bolsonaro e alguns governos estaduais, como o do Rio de Janeiro, comandado por Wilson Witzel  

Reportagem da jornalista Danielle Brant na Folha de S.Paulo informa que a discussão ganhou força após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defender no domingo (22), uma “avaliação criteriosa” do excludente de ilicitude.   

A proposta de Moro extrapola o que já está contemplado no Código Penal a respeito do direito de defesa e incluiu a possibilidade de redução de pena até a metade ou deixar de aplicá-la se o excesso do policial decorrer de “escusável medo, surpresa ou violenta emoção.”  

A discussão sobre o tema será feita nesta terça-feira pelo grupo de trabalho da Câmara. Segundo parlamentares, há maioria para modificar o trecho, sendo que alguns deputados defendem sua supressão, informa a reportagem.  

Sergio Moro já sofreu outras derrotas no colegiado. Já caíram a prisão após condenação em segunda instância e o “plea bargain”, solução negociada entre o Ministério Público e o acusado de um crime, que na nova versão requererá o aval de um juiz.  

O governo está preocupado com essas derrotas e intensifica manobras e pressões para a aprovação do projeto "anticrime" no plenário da Câmara.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email