Governo Bolsonaro tentará jogar toda culpa sobre Roberto Dias e conta com renúncia de Ricardo Barros

Para blindar Jair Bolsonaro, o Palácio do Planalto deverá culpar Roberto Ferreira Dias, ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, pela supostas irregularidades envolvendo a compra de vacinas, além de esperar que o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, renuncie ao cargo

Roberto Dias, Bolsonaro e Ricardo Barros
Roberto Dias, Bolsonaro e Ricardo Barros (Foto: Anderson Riedel/PR | Alan Santos/PR | Isac Nóbrega/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Acossado pela denúncia de um suposto esquema de corrupção envolvendo a compra de vacinas contra a Covid-19, o Palácio do Planalto mudou de estratégia para blindar Jair Bolsonaro do escândalo. De acordo com o jornal O Globo, o foco agora é afirmar que todas as denúncias serão investigadas e, caso sejam confirmadas, os envolvidos serão punidos.

Nesta linha, um dos alvos é Roberto Ferreira Dias, ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde. O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), responsável pela indicação de Dias para o cargo, irá prestar depoimento à CPI da Covid na próxima semana. O Planalto avalia que Barros - que também teve o nome citado como participante do esquema - deveria renunciar à liderança para se defender das denúncias e, desta forma, evitar maiores desgastes ao governo.

Dias foi exonerado nesta quarta-feira (30). Demissão ocorreu após Luiz Paulo Dominguetti Pereira, que se apresenta como representante da Davati Medical Supply, revelar ter oferecido ao governo 400 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 produzida pela farmacêutica AstraZeneca. Na ocasião, o então diretor de logística teria pedido US$ 1 de propina sobre cada dose do imunizante adquirido pela pasta. Dias também é acusado de fazer pressão pela aprovação da vacina indiana Covaxin. 

PUBLICIDADE

Desde que as denúncias vieram à tona, o governo Jair Bolsonaro já apresentou três versões diferentes para justificar a compra dos imunizantes cujos contratos estão sob suspeitas de irregularidades. 

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

PUBLICIDADE

 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email