Governo quer endurecer cobrança de dívidas previdenciárias

A PGFN (Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional) e a Receita Federal articulam um pacote para cobrar dívidas à Previdência; em uma das frentes, o governo quer criar mecanismos de combate aos chamados devedores contumazes, empresas que desenvolvem esquemas de blindagem e estratégias para não pagarem tributos como uma forma de engenharia financeira

Governo quer endurecer cobrança de dívidas previdenciárias
Governo quer endurecer cobrança de dívidas previdenciárias
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247A PGFN (Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional) e a Receita Federal articulam um pacote para cobrar dívidas à Previdência. Em uma das frentes, o governo capitaneado por Guedes - e acompanhado à distância por Bolsonaro - quer criar mecanismos de combate aos chamados devedores contumazes, empresas que desenvolvem esquemas de blindagem e estratégias para não pagarem tributos como uma forma de engenharia financeira.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que "a proposta é traçar ações específicas para atacar o devedor contumaz, algo que não é previsto na legislação atual. Também está em construção um conjunto de medidas para facilitar a recuperação de recursos devidos por empresas em condição de pagamento considerada ruim. Serão apresentadas alternativas de transações tributárias para que o pagamento possa ser feito."

A matéria ainda acrescenta: "há também estudo para propor que empresas com boas condições de pagamento sejam impedidas de aderir a programas de refinanciamento de dívidas (Refis), alvo de críticas da equipe econômica, mas que tradicionalmente são ampliados pelo Congresso. Também está na mesa de discussões proposta para acelerar a inscrição de devedores (pessoas físicas) na lista negativa de órgãos de proteção de crédito. As mudanças exigem aprovação pelo Congresso e devem ser apresentadas em conjunto com a reforma da Previdência. Essas alterações, que facilitam a cobrança da Dívida Ativa como um todo, podem ser apresentadas por meio de projeto de lei."

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247