Governo vai limitar acesso ao crédito estudantil

Após aumento de gastos, Fies terá limite de vagas por instituição e será unificado nos moldes do Sisu, segundo o secretário-executivo do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa; de 2010 até 2014, o custo do programa cresceu 13 vezes - saltou de R$ 1,1 bilhão para R$ 13,4 bilhões, em valores corrigidos; por outro lado, a média anual de aumento de alunos nas instituições particulares passou de 5%, entre 2003 e 2009, para 3% de 2010 até 2013

Após aumento de gastos, Fies terá limite de vagas por instituição e será unificado nos moldes do Sisu, segundo o secretário-executivo do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa; de 2010 até 2014, o custo do programa cresceu 13 vezes - saltou de R$ 1,1 bilhão para R$ 13,4 bilhões, em valores corrigidos; por outro lado, a média anual de aumento de alunos nas instituições particulares passou de 5%, entre 2003 e 2009, para 3% de 2010 até 2013
Após aumento de gastos, Fies terá limite de vagas por instituição e será unificado nos moldes do Sisu, segundo o secretário-executivo do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa; de 2010 até 2014, o custo do programa cresceu 13 vezes - saltou de R$ 1,1 bilhão para R$ 13,4 bilhões, em valores corrigidos; por outro lado, a média anual de aumento de alunos nas instituições particulares passou de 5%, entre 2003 e 2009, para 3% de 2010 até 2013 (Foto: Roberta Namour)

247 – O governo já admite rever as regras de acesso ao programa de financiamento estudantil.

De 2010 até 2014, o custo do programa cresceu 13 vezes - saltou de R$ 1,1 bilhão para R$ 13,4 bilhões, em valores corrigidos. Por outro lado, a média anual de aumento de alunos nas instituições particulares passou de 5%, entre 2003 e 2009, para 3% de 2010 até 2013.

A explicação para a disparada de gastos está no incentivo de faculdades a alunos já matriculados a entrar no Fies para não pagar as mensalidades, como forma de evitar atrasos ou a inadimplência.

Contra a manobra, o governo deve limitar o número de vagas por instituição e unificar o sistema nos moldes do Sisu, segundo o secretário-executivo do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa.

Até então, tinha acesso ao crédito praticamente todo mundo que pleiteava vaga com nota 3 ou superior em avaliação federal (que vai de 1 a 5).

Leia aqui reportagem da ‘Folha de S. Paulo’ sobre o assunto.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247