Greenwald: “Parceria da imprensa comercial com a Lava Jato é ideológica e comercial”

O jornalista Glenn Greenwald, editor-chefe do The Intercept, que vem divulgando as mensagens trocadas entre membros da Lava Jato e que revelaram o conluio da operação, afirmou que a mídia comercial agiu como "parceira" da força-tarefa. “No Jornal Nacional, o (William) Bonner (apresentador) apenas falava o que tinha recebido da força-tarefa, com uma audiência enorme, sem nenhum trabalho jornalístico. Atuavam como parceiros”, disse

(Foto: REPRODUÇÃO/TVT)

Rede Brasil Atual - O premiado jornalista Glenn Greenwald, editor-chefe do The Intercept Brasil, gravou nesta quarta-feira (27) sua participação no Entre Vistas, da TVT, que vai ao ar na quinta-feira (29), às 22h. “Profissional combativo”, como apresenta Juca Kfouri, mediador do programa semanal. Na pauta, diálogos sobre o escândalo que ficou conhecido como Vaza Jato, a parcialidade de parte do sistema de Justiça do Brasil, as influências norte-americanas na política nacional e o papel da mídia nesse processo, entre outros temas. Além de Juca, participam da edição as também jornalistas Vanessa Martina Silva e Eleonora de Lucena, da revista Diálogos do Sul e da Tutaméia TV, respectivamente.

Um dos pontos altos da entrevista foi a avaliação – dura e esclarecedora – sobre o papel da imprensa comercial no processo político dos últimos anos, com consequências como criminalização da política, antipolítica, ascensão da extrema-direita e  judicialização parcial dos processos envolvendo Executivo e Legislativo.

Glenn lembrou que, durante muito tempo, o jornalismo praticado pela mídia tradicional brasileira resumia-se a receber conteúdo vazado da Operação Lava Jato, o que se mostrou um modelo extremamente lucrativo. “No Jornal Nacional, o (William) Bonner (apresentador) apenas falava o que tinha recebido da força-tarefa, com uma audiência enorme, sem nenhum trabalho jornalístico. Atuavam como parceiros”. O jornalista conclui que, na prática que, além da ideologia política defendida e de escolher quem apoiar e quem derrubar, a parceria entre a grande imprensa e certos setores do Judiciário envolvem também um grande interesse comercial.

Moro, juiz bolsonarista

No programa, Glenn mostra ainda que a influência midiática em cima da Lava Jato resultou na criação de uma imagem que teve imenso alcance nacional, a de “super-herói”, papel que foi construído em torno do então juiz responsável pela Lava Jato em Curitiba, Sergio Moro, hoje ministro da Justiça e da Segurança Nacional de Jair Bolsonaro (PSL).

Agora, a Vaza Jato revela que Moro não atuou de forma ética nos processos. Perseguiu adversários, privilegiou “amigos do rei” e formou conluio com a investigação, entre outros problemas relatados pelo The Intercept, e veículos parceiros pontuais como a revista Veja, a Folha de S.Paulo, e o El País, entre outros.

Mesmo com o apontamento, a imagem de Moro parece ainda resistir, principalmente pois segue como ministro de Bolsonaro. Para Glenn, é uma questão de medir os tempos deste processo. “A imagem de Moro foi construída como herói sem desafios. Durante cinco anos, a mídia aplaudiu tudo do Moro. Mas mesmo a Veja, que fez isso, hoje é nossa parceira (…) Em dois meses é difícil abalar uma imagem construída em tanto tempo. Moro ainda é ministro, mas é uma figura mais fraca. As mudanças são sutis”, diss

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247