Haddad: autoritarismo de Bolsonaro na escolha de reitores é por baixa adesão ao Future-se

"O governo deve ter ficado frustrado com a baixa adesão ao programa Future-se. Viu que por bem, ele não vai. Então, vai na porrada, com a interferência na escolha dos reitores", afirmou o ex-ministro da Educação Fernando Haddad sobre a MP 914, que retira autonomia das universidades para escolha de reitores

Fernando Haddad e Jair Bolsonaro
Fernando Haddad e Jair Bolsonaro (Foto: Gustavo Bezerra | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação, Fernando Haddad, criticou a Medida Provisória 914, de Jair Bolsonaro, que rerduz a autonomia das universidades para a escolha de seus reitores. 

"O governo deve ter ficado frustrado com a baixa adesão ao programa Future-se. Viu que por bem, ele não vai. Então, vai na porrada, com a interferência na escolha dos reitores", afirmou Haddad nesta quinta-feira (26) ao blog do jornalista Leonardo Sakamoto, do UOL

Ele questiona a urgência e relevância de propor essa matéria através de uma MP, que tem força de lei no ato de sua publicação do Diário Oficial da União.

 "É um atentado e é inconstitucional", afirma. "Isso não discutido por nenhum fórum de educadores ou reitores, comunidade acadêmica. E medida vai na contramão da liberdade das universidades em escolherem seus dirigentes. Conselhos universitários em todo o mundo seguem regras diversas, como eleição direta, eleição por seguimento até comitê de busca. A tendência é no sentido de ampliar a democracia e não reduzir, dar mais liberdade e não menos", afirmou. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247