Haddad comenta cultos presenciais e diz que Bolsonaro é pré-histórico

“Para quem pensava que Bolsonaro era medieval, pesa a informação de que os padres da Idade Média fechavam as igrejas durante as pandemias. O rapaz é pré-histórico”, publicou Fernando Haddad

(Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) comentou a abertura de cultos presenciais, lembrando que “os padres da Idade Média fechavam as igrejas durante as pandemias”. Por isso, o petista afirmou que Jair Bolsonaro, que defende a abertura das igrejas, é pré-histórico.

“Para quem pensava que Bolsonaro era medieval, pesa a informação de que os padres da Idade Média fechavam as igrejas durante as pandemias. O rapaz é pré-histórico”, publicou nas redes sociais.

STF julga realização de cultos presenciais

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga na tarde desta quinta-feira, 8, a realização de cultos presenciais no pior momento da pandemia, autorizada pelo ministro Kassio Nunes Marques.

O julgamento caminha para o entendimento de que é possível proibir a realização de cultos e missas presenciais para preservar o direito à vida da população, visto que ambientes como os das igrejas são locais de ampla disseminação do coronavírus, que afetam os fiéis e os que não congregam de nenhuma fé. 

Caso o julgamento seja concluído neste sentido, representará uma derrota do ministro Nunes Marques e de Jair Bolsonaro, que defende cultos presenciais para agradar sua base religiosa.

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email