Incentivada por Bolsonaro, venda de munições explode no Brasil

As mudanças na legislação feitas por Jair Bolsonaro para facilitar o acesso de armas e munições por parte da população civil fez com que a venda de cartuchos e projéteis superasse a marca de 1,5 milhão de unidades ao longo do mês de maio, volume 98% maior que no mesmo período de 2019

(Foto: REUTERS/Diego Vara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - As mudanças na legislação feitas por Jair Bolsonaro para facilitar o acesso de armas e munições por parte da população civil elevou a compra de projéteis em 98% entre os meses de janeiro e maio deste ano em comparação com o mesmo período do exercício anterior. Segundo reportagem do jornal O Globo, somente em maio foram comercializados 1.541.780 cartuchos em todo o país, uma média superior a duas mil unidades por hora. 

O volume comercializado junto à população civil, ao logo do mês de maio, é superior ao que foi adquirido por 11 instituições de segurança. Segundo a reportagem, as  Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Força Nacional de Segurança Pública (FNSP), polícias civis, polícias militares, corpos de bombeiros, guardas municipais e polícia legislativa compraram, 1,396 milhão de munições, no período. 

Ainda conforme a reportagem, o número não engloba a venda para policiais, bombeiros, agentes da )Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). As vendas, portanto, foram feitas diretamente à civis. Os dados integram a base de dados do Sistema de Controle de Venda e Estoque de Munições (Sicovem), gerenciado pelo Exército. 

O aumento na venda de munições foi verificado após o ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva e o então ministro da Justiça, Sergio Moro, assinarem uma portaria no dia 23 de abril que ampliou o limite de compra para quem possui armas de fogo registradas.  O volume passou de 200 unidades anuais para até 300 unidades mensais, dependendo do calibre do armamento. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247