Indígenas denunciam na ONU 'atrocidades' de Temer

Representantes dos povos indígenas brasileiros denunciaram o governo Michel Temer junto a ONU e pediram "medidas urgentes" para frear as "atrocidades", mortes e violações de direitos humanos; "Queremos que este Conselho tome medidas urgentes sobre a grave crise humanitária que meu povo passa", disse o representante do Conselho da Grande Assembleia Aty Guasu Guarani e Kaiowá, Voninho Benites; levantamento apontou que o país registra 470 assassinatos de indígenas e 750 suicídios de membros das etnias Guarani e Kaiowá; "Não aceitaremos esta realidade e iremos continuar a resistir e a demarcar nossas terras com o nosso próprio sangue", destacou

Índios participam da CPI da Funai e do Incra. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Índios participam da CPI da Funai e do Incra. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Representantes dos povos indígenas brasileiros denunciaram o governo Michel Temer junto a ONU e pediram "medidas urgentes" para frear as "atrocidades", mortes e violações de direitos humanos. "Queremos que este Conselho tome medidas urgentes sobre a grave crise humanitária que meu povo passa", disse o representante do Conselho da Grande Assembleia Aty Guasu Guarani e Kaiowá, Voninho Benites. A denúncia foi feira nesta quarta-feira (20) em um debate realizado no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Segundo Benites, um levantamento apontou que o país registra 470 assassinatos de indígenas e 750 suicídios de membros das etnias Guarani e Kaiowá. "Não aceitaremos esta realidade e iremos continuar a resistir e a demarcar nossas terras com o nosso próprio sangue", destacou.

Para ele, o governo brasileiro comete "atrocidades ao negar os direitos sobre terras tradicionais". "As reservas criadas pelo governo há quase 100 anos, se tornaram confinamentos do nosso povo, nos condenando à fome e à dependência extrema da vontade do Estado, ao passo que nosso povo vive de cestas básicas alimentares, porque não temos terras para plantar", denunciou.

Já o ativista Luis Doniste Grupioni, do Instituto de Pesquisa e Formação Indígena, denunciou o corte de verbas destinado a questões indígenas e afirmou que "demarcações foram adiadas e o orçamento das agências será dez vezes menor que há cinco anos".

A embaixadora do Brasil na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo, tentou rebater as acusações afirmando que o país possui 462 terras indígenas, que correspondem a 13% do território nacional e que o governo destinou cerca de R$ 700 milhões em políticas públicas para os povos indígenas.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247