Irresponsabilidade criminosa matou 231 na boate Kiss

Bombeiros atestam que alvará de funcionamento da boate Kiss estava vencido; tragédia matou 231 pessoas (inicialmente, o número informado de mortos era de 245) e ainda há dezenas de feridos; donos do estabelecimento, que já havia sido notificado para regularizar a situação, não foram localizados; maior número de mortes ocorreu por asfixia; vídeos

Irresponsabilidade criminosa matou 231 na boate Kiss
Irresponsabilidade criminosa matou 231 na boate Kiss
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Diário de Santa Maria - O alvará do Plano de Prevenção de Combate a Incêndio da boate Kiss, cenário de uma tragédia que vitimou 231 pessoas (o primeiro número dava conta de 245 mortes), na madrugada deste domingo em Santa Maria, na região central do Estado, estava vencido desde agosto de 2012. A informação é comandante geral do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Sul, coronel Guido Pedroso de Melo.

Segundo o comandante, os bombeiros locais já haviam notificado a boate para que providenciasse a renovação do alvará, mas isso ainda não teria ocorrido.

Ainda conforme o comandante, o fato de a boate ter a liberação anterior significa que a casa noturna possuía o número de extintores de incêndio necessários, sinalização (indicando as saídas) e iluminação de emergência (que garante luminosidade por cerca de uma hora em casos de falta de energia).

Os bombeiros abrirão uma sindicância para verificar possíveis irregularidades.

— A informação que temos é que a maioria das pessoas morreu por asfixia. Algumas tiveram queimaduras. Mas temos a informação de seguranças da boate teriam barrado a saída das pessoas e que teria mais pessoas do que a capacidade do local — disse o comandante.

Os donos da boate não foram localizados pelo Diário para comentar o ocorrido.

A 1ª Delegacia de Polícia Civil de Santa Maria já começou a ouvir testemunhas e vai investigar o caso.

Confira, neste link, vídeo com cenas da tragédia.

Abaixo, vídeo com imagens do resgate:

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247