Janot quer modernização das investigações contra "elite do crime"

Procurador-geral da República defendeu a modernização dos métodos investigativos para combater o que ele chama de criminalidade sofisticada, informatizada, internacional e relacionada a grupos com "elevado viés econômico e político"; "A chamada elite do crime", definiu

Procurador-geral da República defendeu a modernização dos métodos investigativos para combater o que ele chama de criminalidade sofisticada, informatizada, internacional e relacionada a grupos com "elevado viés econômico e político"; "A chamada elite do crime", definiu
Procurador-geral da República defendeu a modernização dos métodos investigativos para combater o que ele chama de criminalidade sofisticada, informatizada, internacional e relacionada a grupos com "elevado viés econômico e político"; "A chamada elite do crime", definiu (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defendeu a modernização dos métodos investigativos para combater o que ele chama de criminalidade sofisticada, informatizada, internacional e relacionada a grupos com "elevado viés econômico e político": "A chamada elite do crime".

"Um sistema de investigação contemporâneo precisa preocupar-se com a utilização da propriedade que produz milionários sob determinadas circunstâncias. É necessário mudar o viés, primar por uma investigação que seja eficiente para neutralizar não só o solitário social, mas outrossim o criminoso do colarinho branco", destacou Janot durante evento evento na Escola Superior do Ministério Público da União (ESPMU).

Segundo ele, é preciso investimentos em tecnologia para melhorara coleta a estruturação de dados, além de uma maior interação entre os diversos órgãos públicos para a investigação e elucidação de crimes. O procurador-geral também disse que o procedimento do inquérito policial.

"Da mesma forma, nosso procedimento de investigação criminal deve ser remodelado. Hoje a maior parte dos crimes objeto da pesquisa (como corrupção), quando elucidados, dependem da cooperação de pessoas e corporações", disse. "O esforço investigativo para desvelamento do crime na sociedade da informação é extremamente complexo", completou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email