Justiça adia saída de famílias do assentamento Milton Santos

Governo federal obtém liminar que garante a permanência, por tempo indeterminado, de 66 famílias em terreno de Americana, no interior de São Paulo; nesta terça, data limite para o despejo, houve manifestação pacífica dos moradores; assentados ocuparam recentemente o Instituto Lula (foto), na capital paulista, a fim de pressionar o ex-presidente a falar com Dilma sobre o caso

Justiça adia saída de famílias do assentamento Milton Santos
Justiça adia saída de famílias do assentamento Milton Santos
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sarah Fernandes, da Rede Brasil Atual

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região suspendeu, por tempo indeterminado, a reintegração de posse do assentamento Milton Santos, em Americana, no interior paulista, prevista para ocorrer nesta quarta-feira 30. A liminar, que garante a permanências das 66 famílias na área, foi apresentada pela Advocacia Geral da União (AGU), em nome do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS).

De acordo com a Procuradoria-Regional Federal, foi anexada ao processo uma cópia do Decreto nº 77.666/76, que comprova que o terreno foi incorporado à propriedade do INSS. Ao analisar o caso, a procuradoria levou em conta que as famílias vivem no local há pelo menos seis anos e que a retirada poderia causar perdas e danos a elas.

"Aqui se trata de terras que já se encontram destinadas a uma finalidade, com relevantes investimentos realizados no local, atos que, em meu entender, legitimamente, induziram a posse", destacou um trecho da decisão.

Na tarde desta terça-feira 29, os moradores do assentamento organizaram uma resistência pacífica ao despejo. A principal via, de acordo com lideranças, será pelo trabalho: no decorrer do dia as famílias intensificarão o cultivo de produtos agrícolas, reorganizarão os locais de produção e se manterão mobilizados.

Além disso, militantes de organizações sociais, em especial o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), foram ao assentamento para apoiar a resistência das famílias. Eles reivindicam que a presidenta Dilma Rousseff desaproprie a área por interesse social. Há duas semanas, parte dos moradores ocupou a sede do Incra no centro de São Paulo e, na última quarta-feira (23), a sede do Instituto Lula, na zona Sul, nos quais permaneceram até quinta, quando se reuniram com o presidente do Incra, Carlos Guedes.

Na ocasião, Guedes reforçou que é contrário à desapropriação e que a presidenta Dilma já se posicionou favoravelmente à permanência das famílias. "Ganhamos muita repercussão", avalia uma das coordenadoras do assentamento, Luciana Silva.

De acordo com Luciana, lideranças do assentamento se reuniram na semana passada com representantes da Secretaria de Segurança Pública de Americana e da Secretaria de Segurança Pública do Estado, que garantiram que não haveria violência na reintegração de posse. De acordo com o portal Brasil 247, no último sábado, durante reunião, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) garantiu ao senador Eduardo Suplicy (PT) que não dará ordens à Polícia Militar para desocupar um assentamento do MST.

As famílias do Milton Santos foram assentadas pelo Incra em 2006, de acordo com o MST. Antes disso, a área pertencia à família Abdalla, da qual faz parte o multimilionário Toninho Abdalla, e era utilizada pela Usina Ester. Devido à irregularidade no pagamento de impostos a propriedade, foi repassada para o INSS.

A Usina Ester e a família Abdalla entraram com uma ação judicial pedindo a reintegração de posse do terreno. Em 28 de novembro de 2012, a 2ª Vara de Piracicaba da Justiça Federal determinou que a área fosse desocupada. Houve várias manifestações pela permanência das famílias no assentamento.

No dia 22 de dezembro, o senador Eduardo Suplicy, o deputado federal Paulo Teixeira (PT) e o superintendente do Incra de São Paulo, Wellington Diniz, compareceram a uma plenária no assentamento, e enviaram uma carta à presidenta Dilma, ao ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, ao prefeito de Americana, Diego De Nadai (PSDB), e ao governador Geraldo Alckmin.

Na carta, eles relatam como vivem as famílias no Milton Santos: "Observamos que estas famílias produzem cerca de 40 produtos agrícolas diferentes, como verduras, legumes, frutas. Alguns criam animais. A produção serve tanto para a alimentação da comunidade, como para venda para a população que vive nas proximidades, tanto em Americana quanto em Cosmópolis". E pedem que seja "assegurada a tranquilidade das famílias para poderem desenvolver aquele assentamento".

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247