Justiça nega habeas corpus preventivo a Okamotto

Defesa do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, pediu que não fosse aceita abertura de ação penal contra ele e outras sete pessoas, entre elas o ex-presidente Lula e sua esposa, Maria Letícia, após denúncia do Ministério Público; Okamotto é alvo da Lava Jato sob acusação de atuar para que a empreiteira OAS pagasse o aluguel de contêineres do acervo de Lula

Presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto
Presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

André Richter, repórter da Agência Brasil - O desembargador João Pedro Gebran Neto negou habeas corpus protocolado pela defesa do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, para impedir abertura de uma ação penal. Na decisão, o magistrado entendeu que não é possível conceder liminar contra eventual decisão do juiz Sérgio Moro contra o acusado.

Na semana passada, a força tarefa de investigadores da Operação Lava Jato denunciou Okamotto pela acusação de atuar para que a empreiteira OAS pagasse o aluguel de contêineres do acervo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo os procuradores, entre 2-11 e 2016 foram feitos 61 pagamentos mensais no valor de R$ 21,5 mil.

Caberá ao juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, decidir se aceita ou rejeita a denúncia.

De acordo com os advogados de Okamotto, o ex-presidente não recebeu vantagens indevidas e os bens que Lula recebeu quando estava no cargo "integram o patrimônio cultural brasileiro e são declarados de interesse público", de acordo com a lei.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247