Lava Jato guardava há quatro anos informações usadas na operação contra o filho de Lula

Parte das informações utilizadas para justificar as buscas e apreensões de hoje está em posse da Lava Jato ao menos desde 2015, quando foi deflagrada a operação Erga Omnes, a 14ª fase

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Jornal GGN – A operação deflagrada nesta terça (10) contra Fábio Luis, o Lulinha, filho mais velho do ex-presidente Lula, é mais uma prova de que o timing político pauta a Lava Jato em Curitiba.

Com Lula solto há um mês, os procuradores decidiram mirar em serviços prestados pelo grupo Gamecorp, de Lulinha e sócios, à empresa Oi/Telemar, alegando que os pagamentos têm suposta conexão com atos de Lula no governo federal.

Mas parte das informações utilizadas para justificar as buscas e apreensões de hoje está em posse da Lava Jato ao menos desde 2015, quando foi deflagrada a operação Erga Omnes, a 14ª fase.

Leia a íntegra no GGN

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247