Lula abre investigação privada e quer rever dados da Odebrecht que foram utilizados pela Lava Jato

"Como o Judiciário da Lava Jato nos impediu de ter acesso a diversos elementos que podem servir para reforçar nossos argumentos, vamos usar da técnica da investigação defensiva", disse Cristiano Zanin, que atua na defesa do ex-presidente Lula

(Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Os advogados  do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deram início a uma investigação própria para buscar provas que poderão ser utilizadas pela defesa em processos da Lava Jato. Segundo reportagem do UOL, foram solicitados documentos à empreiteira Odebrecht, além de terem sido iniciadas consultas junto a autoridades suíças. O objetivo é obter provas que podem auxiliar a inocentar Lula ou revelar os excessos e abusos cometidos pela Lava Jato contra o ex-presidente. 

A reportagem destaca que a defesa de Lula está preparando uma ação junto ao Ministério Público em Berna, na Suíça, para ter acesso aos arquivos originais do sistema de propinas da Odebrecht. Segundo os advogados, a Lava Jato teria feito uso de arquivos manipulados durante o processo. 

"Como o Judiciário da Lava Jato nos impediu de ter acesso a diversos elementos que podem servir para reforçar nossos argumentos, vamos usar da técnica da investigação defensiva", disse o advogado Cristiano Zanin. 

A  "investigação defensiva" do ex-presidente se baseia em um regulamento aprovado pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (da OAB) no final de 2018 e visa reunir provas para serem utilizadas em recursos à Justiça. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247