Luis Felipe Miguel explica a natureza fascista do MBL

"O caso da exposição do Santander é emblemático. Um movimento 'liberal' é contra a liberdade de expressão. O argumento de que a exposição feria sensibilidades e valores religiosos é exatamente o argumento contra o qual a defesa liberal da liberdade de expressão sempre se ergueu, desde o século XIX", diz o cientista político Luis Felipe Miguel sobre o MBL; "Isso não é liberalismo político - o liberalismo político sempre foi uma doutrina de direitos. Isso está mais próximo do fascismo"

"O caso da exposição do Santander é emblemático. Um movimento 'liberal' é contra a liberdade de expressão. O argumento de que a exposição feria sensibilidades e valores religiosos é exatamente o argumento contra o qual a defesa liberal da liberdade de expressão sempre se ergueu, desde o século XIX", diz o cientista político Luis Felipe Miguel sobre o MBL; "Isso não é liberalismo político - o liberalismo político sempre foi uma doutrina de direitos. Isso está mais próximo do fascismo"
"O caso da exposição do Santander é emblemático. Um movimento 'liberal' é contra a liberdade de expressão. O argumento de que a exposição feria sensibilidades e valores religiosos é exatamente o argumento contra o qual a defesa liberal da liberdade de expressão sempre se ergueu, desde o século XIX", diz o cientista político Luis Felipe Miguel sobre o MBL; "Isso não é liberalismo político - o liberalismo político sempre foi uma doutrina de direitos. Isso está mais próximo do fascismo" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Luis Felipe Miguel, em seu Facebook - É ruim que, no Brasil, nossos "liberais" nunca passem de reacionários com ódio da igualdade e da classe trabalhadora.

O MBL é uma caricatura significativa. Diz que é "liberal" mas defende o Escola Sem Partido, é contra o direito ao aborto, é entusiasta da repressão policial...

O caso da exposição do Santander é emblemático. Um movimento "liberal" é contra a liberdade de expressão. O argumento de que a exposição feria sensibilidades e valores religiosos é exatamente o argumento contra o qual a defesa liberal da liberdade de expressão sempre se ergueu, desde o século XIX.

Defendendo o indefensável, eis que surge Fernando Holiday, sugerindo que usar pressões de mercado para obrigar uma empresa a se curvar não é censura e é a própria essência do liberalismo. É essa a mentalidade do MBL: não há vigência de direitos. Há a lei da selva; quem tiver recursos, que pressione para que sua vontade seja cumprida.

Isso não é liberalismo político - o liberalismo político sempre foi uma doutrina de direitos. Isso está mais próximo do fascismo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247