Luis Miguel: por falta de coordenação séria, pandemia cobra preço alto

"É parte da tragédia o fato de que muito da oposição, tanto conservadora quanto de esquerda, esteja paralisada pela covardia e pelo cálculo eleitoral", escreve o cientista político Luis Felipe Miguel

(Foto: Reprodução | Mário Oliveira/SEMCOM)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Luis Felipe Miguel, em seu Facebook

Nos últimos dias, mais ou menos desde que o novo (e sumido) ministro da Saúde tomou posse, os números de novas mortes pelo coronavírus no Brasil têm ficado abaixo do que a curva até então desenhada sugeriria. Também parecem pouco condizentes com o que se lê e se vê da situação nos hospitais - e nos cemitérios.

Não estou dizendo que haja uma conspiração para esconder os números reais - embora essa hipótese tampouco possa ser descartada. Há uma enorme subnotificação de casos, agravada pela gritante insuficiência de testes.

Creio que só teremos uma ideia da dimensão da pandemia no Brasil por aproximação, comparando, em cada região, o número de mortes e internações por insuficiência respiratória com a série histórica para a mesma época do ano.

O que espanta é que, nesse momento, sem termos sequer um diagnóstico claro da situação, sem nenhuma evidência de que a contaminação esteja sob controle, sem qualquer estimativa séria da capacidade de resistência dos sistemas de saúde, sem que estejamos prontos para uma testagem maciça, a gente esteja vendo praticamente uma corrida de governadores e prefeitos para ver quem libera mais e mais rápido.

A ausência de uma coordenação séria, a nível nacional, para enfrentar a pandemia cobra um alto preço. 

Os governantes locais (vindos, como sabemos, das eleições de 2016 e 2018, que consagraram uma grande proporção de oportunistas despreparados) têm menos capacidade de resistir às pressões de empresários inescrupulosos, que se tornou ainda maior com a esperança de meter a mão no auxílio emergencial aprovado pelo Congresso. Quando essa pressão ganha um reforço do Planalto, então, é pior ainda.

Cada dia de permanência do mercador da morte na presidência da República amplia a tragédia. Cada dia será contado em mortos.

É parte da tragédia o fato de que muito da oposição, tanto conservadora quanto de esquerda, esteja paralisada pela covardia e pelo cálculo eleitoral - ou mesmo priorize as disputas internas em seus partidos em relação à tarefa urgente de tentar salvar o Brasil.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247