Lula: nova denúncia é 'injurídica e imoral'

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva classificou como "Injurídica e imoral" a denúncia de corrupção passiva feita nesta segunda-feira, 11, pelo Ministério Público Federal contra Lula no âmbito da investigações da operação Zelotes; "Mais uma vez membros do Ministério Público Federal abusam de suas prerrogativas legais para tentar constranger o ex-presidente Lula e manipulam o sistema judicial brasileiro para promover uma perseguição política que não pode mais ser disfarçada", diz a defesa em nota; "A nova denúncia do Ministério Público não é apenas improcedente, mas injurídica e imoral. Os procuradores que a assinam tentam explorar novamente um tema que já foi objeto de ação penal e julgamento na primeira instância há mais de um ano"

O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva concede entrevista à Reuters na cidade de Penedo, no Alagoas 23/08/2017 REUTERS/Paulo Whitaker
O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva concede entrevista à Reuters na cidade de Penedo, no Alagoas 23/08/2017 REUTERS/Paulo Whitaker (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva classificou como "Injurídica e imoral" a denúncia do Ministério Público Federal contra ele no âmbito da investigações da operação Zelotes. 

Junto com o ex-ministro Gilberto Carvalho e outras cinco pessoas, Lula foi denunciado por corrupção passiva na edição de uma medida provisória para beneficiar montadoras, publicada em 2009 (leia mais). 

Leia abaixo, a nota da defesa de Lula:

"Mais uma vez membros do Ministério Público Federal abusam de suas prerrogativas legais para tentar constranger o ex-presidente Lula e manipulam o sistema judicial brasileiro para promover uma perseguição política que não pode mais ser disfarçada.

A nova denúncia do Ministério Público sobre a edição da Medida Provisória 471/2009 não é apenas improcedente, mas injurídica e imoral. Os procuradores que a assinam tentam explorar novamente um tema que já foi objeto de ação penal e julgamento na primeira instância há mais de um ano.

A Medida Provisória 471 foi editada em 2009, para prorrogar a vigência de incentivos fiscais que tornaram as regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste responsáveis por 13% dos empregos na indústria automobilística brasileira, e por mais de 10% das exportações de automóveis pelo país.

São absolutamente corretos os trâmites da medida, desde a edição até a aprovação pelo Congresso Nacional, que a converteu em lei sem votos contrários. Somente a sanha persecutória de determinados procuradores contra o ex-presidente Lula pode explicar a tentativa de criminalização de uma política de desenvolvimento regional iniciada em governo anterior ao dele."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247