Marcos Coimbra: ricos já entenderam que Bolsonaro não resolve

Presidente do Instituto Vox Populi, o sociólogo Marcos Coimbra constata que os mais ricos "já entenderam que Bolsonaro não resolve" a questão econômica do País e que tal sentimento chegará na base da sociedade; "Até o fim desse semestre, o que existe de bolsonarismo vai diminuir a cada dia", projeta o analista; assista

Marcos Coimbra: ricos já entenderam que Bolsonaro não resolve
Marcos Coimbra: ricos já entenderam que Bolsonaro não resolve
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Presidente do Instituto Vox Populi, empresa que realiza pesquisas de opinião, o sociólogo Marcos Coimbra constata, em participação no programa "Giro das 11", na TV 247, que os mais ricos "já entenderam que Bolsonaro não resolve" a questão econômica do País e que tal sentimento chegará na base da sociedade. "Até o fim desse semestre, o que existe de bolsonarismo vai diminuir a cada dia", projeta o analista. 

Ao observar os atos pró-Bolsonaro ocorridos neste domingo (26), Coimbra considera que "para a manifestação ter consequência significativa, ela teria que ser muitas vezes maior do que foi". "Do jeito que aconteceu, não mudou em nada", ressalta.  

"Participaram do ato, como bem lembrou o jornalista Juca Kfouri, 'gente gorda e branca', pessoas que gostam de teses fascistas, que não aceitam divergências. Essas pessoas foram às ruas aplaudir o presidente e não para defender as reformas propostas pelo governo, como foi divulgado pela mídia", elucida. 

Ao analisar a queda brusca de popularidade do capitão reformado, Coimbra considera que Bolsonaro fez duas promessas que não serão alcançadas em apenas um ano. "Ele prometeu segurança aos mais pobres e o equilíbrio da economia aos mais ricos, isso é algo impossível", aponta. 

O analista considera que a oposição deve ser propositiva em relação ao governo. "Não é correto ficar nesse revanchismo porque a oposição perdeu a eleição, mas sim porque Bolsonaro é um péssimo presidente e está cercado de incompetentes", pondera. 

Inscreva-se na TV 247 e assista: 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247