Medo da violência faz brasileiros apoiarem autoritarismo

A pesquisa "Medo da Violência e Apoio ao Autoritarismo no Brasil" mostra que quanto mais amedrontada a população, maior a sua propensão a apoiar o autoritarismo; produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o estudo explorou o grau de medo da população brasileira; o resultado foi um índice em que zero é a ausência de medo e 1 é o medo de sofrer todos os tipos de violência descritos aos entrevistados; uma média de 0,68; "O medo é estruturante das relações sociais. E, numa conjuntura de muitos crimes e desemprego, as pessoas se sentem inseguras e ameaçadas", explica o sociólogo Sérgio Adorno, coordenador do Núcleo de Estudos da Violência da USP; "O conservadorismo aparece quando elas não confiam que as instituições e políticas vigentes possam lhes trazer segurança"

A Secretaria Nacional de Segurança realiza a formatura de 600 integrantes da Força Nacional. A solenidade marca a apresentação de parte do efetivo que irá atuar na Copa do Mundo (Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
A Secretaria Nacional de Segurança realiza a formatura de 600 integrantes da Força Nacional. A solenidade marca a apresentação de parte do efetivo que irá atuar na Copa do Mundo (Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil) (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - De acordo com a pesquisa "Medo da Violência e Apoio ao Autoritarismo no Brasil", o país não foge à regra: quanto mais amedrontada a população, maior a sua propensão a apoiar o autoritarismo —que, vale lembrar, manifesta-se à direita e à esquerda.

Produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o estudo explorou o grau de medo da população brasileira a partir 16 situações de violência ou vulnerabilidade.

O resultado foi um índice em que zero é a ausência de medo e 1 é o medo de sofrer todos os tipos de violência descritos aos entrevistados.

Numa média de 0,68, têm-se que mesmo os 25% dos brasileiros que menos sentem medo obtiveram índice de 0,5, enquanto aqueles 25% que mais sentem medo da violência atingiram 0,94. Ou seja, não há no país quem não tenha medo razoável.

"O medo é estruturante das relações sociais. E, numa conjuntura de muitos crimes e desemprego, as pessoas se sentem inseguras e ameaçadas", explica o sociólogo Sérgio Adorno, coordenador do Núcleo de Estudos da Violência da USP. "O conservadorismo aparece quando elas não confiam que as instituições e políticas vigentes possam lhes trazer segurança."

No Brasil, essa combinação é dramática. O país é recordista em homicídios, com cerca de 60 mil casos por ano, e apresenta altos índices de criminalidade violenta.

A confiança nas instituições também vai mal: apenas 25% da população confia na polícia; 29%, no Judiciário; 11%, na Presidência da República e 10%, no Congresso, segundo levantamento de 2016 da FGV. Nesse contexto, parece natural a queda no apoio à democracia detectada em setembro por pesquisa Datafolha.

A noção de que a democracia é sempre melhor que outras formas de governo obteve no mês passado a concordância de 56% dos eleitores. Já em dezembro de 2014, a afirmação era apoiada por 66% dos entrevistados.

As informações são de reportagem de Fernanda Mena na Folha de S.Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247