Ministério da Justiça quer que Bolsonaro edite MP para tornar impune quem tem arma ilegal

Ideia do ministro Anderson Torres é dar anistia para quem possui armamento fora das exigências da lei, atendendo assim antiga reivindicação da bancada da bala

www.brasil247.com -
(Foto: ABr)


Revista Fórum - Com a desculpa de “cadastrar e saber quantas são” as armas irregulares no Brasil, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, quer que o presidente Jair Bolsonaro edite uma Medida Provisória (PM) para dar anistia a quem possui armas em condições irregulares no país.

Na nação que sofreu uma inundação de revólveres, pistolas, fuzis e escopetas nos últimos três anos, desde que o líder de extrema direita chegou ao Planalto, e que segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública abriga um arsenal de mais de dois milhões de armas, a MP colocaria boa parte desse armamento na legalidade, além de garantir impunidade institucional para quem o mantém.

“É uma questão fundamental regularizar essas armas, para que possamos saber onde estão e a quem pertencem. Hoje não temos conhecimento nenhum sobre grande parte delas”, alega Torres, ainda que esteja bem claro que a intenção do governo é de atender uma velha demanda da chamada bancada da bala, formada por parlamentares pró-armamento da população.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia a reportagem completa na Revista Fórum.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email