Ministério Público pede a Toffoli apuração sobre absolvição de ex-mulher de Wassef

Empresa de Maria Cristina Boner recebeu R$ 41,6 milhões do governo Bolsonaro e subprocurador suspeita de tráfico de influência

Cristina Boner
Cristina Boner (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Fórum - O Ministério Público que opera junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu uma apuração ao ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli, que preside o CNJ Conselho Nacional de Justiça (CNJ), sobre decisão da Justiça que absolveu Maria Cristina Boner, ex-mulher e sócia de Frederick Wassef, em processo sobre improbidade administrativa.

Wassef foi advogado da família do presidente Jair Bolsonaro e teria escondido Fabrício Queiroz, apontado como operador de esquema de corrupção envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Queiroz foi preso no dia 18 em uma casa de Wassef.

O subprocurador Lucas Furtado quer que seja apurado se foi “mera coincidência ou casuísmo” a data do julgamento do Tribunal de Justiça do Distrito Federal que livrou Cristina da condenação de não poder mais contratar com o poder público.

A decisão foi tomada na última quarta-feira (24), dois dias após Furtado ter pedido uma auditoria no TCU sobre os contratos da empresa Globalweb Outsourcing, fundada pela ex de Wassef e administrada por uma de suas filhas. O objetivo do Ministério Público é apurar eventual prática de tráfico de influência em contratos com o governo federal. Entre janeiro de 2019 e junho deste ano, o governo de Jair Bolsonaro pagou R$ 41,6 milhões à empresa.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247