Moro compara direitos humanos no Brasil com a Alemanha e Freixo rebate: 'não tem cabimento!'

"Moro, como você pode comparar Brasil e Alemanha, ainda mais no que se refere a Direitos Humanos?", criticou o deputado federal Marcelo Freixo (PSol-RJ), rebatendo as afirmações feitas pelo ministro Sergio Moro, que usou a legislação alemã para defender seu projeto anticrime e a licença para matar prevista na tese de "legítima defesa"

Moro compara direitos humanos no Brasil com a Alemanha e Freixo rebate: 'não tem cabimento!'
Moro compara direitos humanos no Brasil com a Alemanha e Freixo rebate: 'não tem cabimento!' (Foto: Tomaz Silva/ Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal Marcelo Freixo (PSol-RJ) rebateu as afirmação do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que comparou o Brasil com a Alemanha para defender o seu projeto de lei anticrime e a proposta de "legítima defesa", chamada de licença para matar.

"Moro, como você pode comparar Brasil e Alemanha, ainda mais no que se refere a Direitos Humanos? Como comparar as taxas de homicídios e de letalidade policial? Como comparar as condições de trabalho dos policiais brasileiros e alemães? Não tem o menor cabimento!", rebateu o parlamentar.

Freixo refere-se ao comentário feito por Moro que cita um artigo do Código Penal alemão que tem a previsão para a legítima defesa como prevê o seu projeto. Segundo Moro, o código alemão preve que "se o autor excede os limites da legítima defesa por confusão, temor ou medo, então não será punido".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email