MP orientava Gabriela Hardt: 'vamos indicar o que é prioridade para nós numa planilha'

Novas mensagens apresentadas pela defesa de Lula apontaram que procuradores da Operação Lava Jato alinhavam com a juíza Gabriela Hardt as prioridades do MPF-PR. A colegas do órgão, Deltan Dallagnol escreveu: Quem quiser que "suas decisões saiam logo, favor criar e indicar os autos, prioridade 1, 2 ou 3 e Sumário ao lado, e me passar o link para eu passar pra ela"

Deltan Dallagnol e Gabriela Hardt
Deltan Dallagnol e Gabriela Hardt (Foto: ABr | Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

 247 - Diálogos apresentados pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Supremo Tribunal Federal apontaram que, durante a Operação Lava Jato, procuradores do Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR) orientavam a juíza Gabriela Hardt sobre quais eram as prioridades do MPF-PR, o que demonstra estreitas articulações entre promotores e a magistrada, minando as possibilidades de defesa por parte dos investigados.

Em 19 de dezembro de 2018, o procurador Deltan Dallagnol disse em um chat a colegas do órgão: "Gente, importante: 1) Gabriela não sabe o que é prioridade. Há 500 processos com despacho pendentes e não sabe o que olhar. Combinei de criarmos uma planilha google e colocarmos o que é prioridade pra gente". E acrescentou: quem quiser que "suas decisões saiam logo, favor criar e indicar os autos, prioridade 1, 2 ou 3 e Sumário ao lado, e me passar o link para eu passar pra ela".

Segundo o portal Conjur, membros do MPF-PR também combinaram de encaminhar à juíza uma minuta inacabada. A ideia seria a magistrada analisar a petição antes que o documento ficasse pronto. A conversa é de 18 de dezembro de 2019.

"Gabriela disse sobre as denúncias 'poxa, não chegou nenhuma ainda…' Expliquei que estamos trabalhando intensamente e prometi avisar qdo protocoladas", contou Dallagnol aos colegas. "Disse isto pra ela: Se ajudar, podemos enviar a minuta no estado atual para já ir apreciando. Está quase final. Não sei se vendi o que não temos kkkk, mas mostra uma alternativa rs".

Em petição apresentada ao Supremo Tribunal Federal, a defesa de Lula destacou que a procuradora Carolina Rezende citou o petista como o principal alvo da Operação Lava Jato ao escrever "precisamos atingir Lula na cabeça (prioridade número 1)". Ela integrava a equipe do então procurador-geral da República Rodrigo Janot em 2016, quando ocorreu a troca de mensagens.

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email