MST fala em 'avalanche conservadora' e defende reforma política

Em coletiva de imprensa, o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Alexandre Conceição, criticou o que chamou de "avalanche conservadora" ao citar projetos como a PEC 215/2000, que trata da demarcação de terras indígenas, e a eleição do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha

Em coletiva de imprensa, o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Alexandre Conceição, criticou o que chamou de "avalanche conservadora" ao citar projetos como a PEC 215/2000, que trata da demarcação de terras indígenas, e a eleição do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha
Em coletiva de imprensa, o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Alexandre Conceição, criticou o que chamou de "avalanche conservadora" ao citar projetos como a PEC 215/2000, que trata da demarcação de terras indígenas, e a eleição do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil

O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Alexandre Conceição, criticou hoje (14) o que chamou de "avalanche conservadora" ao citar projetos como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215/2000, que trata da demarcação de terras indígenas, e a eleição do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Em entrevista coletiva, ele defendeu a reforma política como elemento aglutinador dos movimentos sociais no Brasil. "Vamos nos inserir num processo de luta muito intenso nesse período. Precisamos de uma reforma agrária, mas a reforma política é fundamental", disse, ao destacar a estratégia de um plebiscito para tratar do assunto.

De acordo com o coordenador, nenhuma das cerca de 150 mil famílias acampadas no país foi assentada nos primeiros 100 dias de governo da presidenta Dilma Rousseff. "A alegação é que não há orçamento aprovado ainda, mas não se pode ter muita paciência após dez anos esperando pela aprovação da reforma agrária", avaliou.

Dados do MST indicam que cerca de 20 mil famílias foram assentadas no primeiro mandato de Dilma. O número, segundo Conceição, é "bastante inexpressivo". Ele defendeu a criação de uma espécie de Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da reforma agrária, que consistiria não apenas em assentar famílias, mas em trazer todas as condições de infraestrutura para as localidades, incluindo estradas, energia, água e escolas.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247