Mulher detida em Belo Horizonte por racismo contra taxista não terá direito à fiança


Revista Fórum - Natália Burza Gomes Dupin, de 36 anos, presa por crime de racismo em Belo Horizonte, nesta quinta-feira (5), não terá direito a pagamento de fiança caso seja mantida presa.

Após ser questionada por um taxista se precisava de uma corrida, ela respondeu a ele que “não andava com preto”. Ela vai responder por injúria racial, desacato, desobediência e resistência. O caso aconteceu na Avenida Álvares Cabral, no bairro Santo Agostinho, região Centro-Sul de Belo Horizonte.

Depois de 17 anos de profissão como taxista na capital mineira, esta foi a primeira vez que Fernandes foi vítima de racismo. Ele conta que tentou argumentar com Dupin, dizendo que ela não poderia dizer aquilo, pois era crime. A mulher, no entanto, teria respondido, “eu não gosto de negro, sou racista, sou racista mesmo”. Segundo relatos, Dupin ainda teria cuspido no pé da vítima.

Leia a íntegra Revista Fórum

Também lê:

The Intercept: exoneração de Alvim não resolve nazismo de secretaria da Cultura

A exoneração do secretário nazista Roberto Alvim pode ter aliviado momentaneamente a pressão pública sobre o governo, mas está longe...

Regina Duarte sobre convite de Bolsonaro: "eu não me sinto preparada"

A atriz Regina Duarte confirmou que recebeu o convite para assumir o comando da Secretaria da Cultura, após a demissão ruidosa de...

Advogados entram com representação contra Alvim no MPF

Grupo de juristas brasileiros encaminhou nesta sexta-feira (17) representação ao Ministério Púbico Federal (MPF) para denunciar o...

Weintraub nega a história brasileira e diz que ditadura não entra no Enem

Em mais uma demonstração do caráter fascista do governo Bolsonaro, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, a ditadura militar...

Crescimento de evangélicos na política chama a atenção de analistas

A presença de evangélicos na política cresce de forma exponencial. De 1982 para cá, o número de parlamentares declaradamente evangélicos...