"Não é repulsiva a insistente perseguição à reputação de Dilma Rousseff neste país?", questiona Marilene Felinto

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, a jornalista Marilene Felinto fez uma defesa veemente da ex-presidente Dilma Rousseff, que foi alvo de misoginia pela própria Folha em editorial

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A jornalista e escritora Marilene Felinto fez neste sábado (29) uma defesa veemente da ex-presidente Dilma Rousseff, primeira mulher a presidir o Brasil e que foi vítima de um impeachment sem comprovação de crime de responsabilidade. 

"É preciso fraternidade entre mulheres que entendam a importância da resistência feminista, ainda que luta inglória: pois não é repulsiva a insistente perseguição à reputação da pessoa (e da política e da militante) Dilma Rousseff neste país?", questiona Felinto. 

Em texto publicado na Folha de S. Paulo, Marilene Felinto criticou, de maneira velada, a postura do jornal, que publicou editorial no dia 22 de agosto intitulado "Jair Rousseff"

"Quantas ondas feministas serão necessárias? Na décima onda, a marcha será por Dilma Rousseff, esta cujo nome seguem achincalhando, equiparando-o ao de seus opressores, seus algozes torturadores", escreve Felinto. 

"Não é misoginia pura a desvalorização de figura tão importante na nossa história, dessa primeira e única mulher eleita presidente deste país vergonhosamente feminicida? E não se trata de uma mulher qualquer, mas de uma guerreira da resistência à opressão em todas as suas formas", acrescenta a jornalista. 

Leia o texto na íntegra

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247