Nome de Lula é incluído no cadastro de procurados e impedidos da PF

Atendendo a um pedido do MPF, o juiz federal Ricardo Leite, da 10ª Vara, determinou à PF a inclusão do nome do ex-presidente Lula no Sistema de Procurados e Impedidos, um banco com os dados de pessoas impedidas de entrar ou sair do País por motivos judiciais; o magistrado negou o pedido de procuradores para que ex-presidente fosse proibido de se sair de São Bernardo do Campo-SP, ou região metropolitana de São Paulo, sem prévia comunicação ao juízo

Atendendo a um pedido do MPF, o juiz federal Ricardo Leite, da 10ª Vara, determinou à PF a inclusão do nome do ex-presidente Lula no Sistema de Procurados e Impedidos, um banco com os dados de pessoas impedidas de entrar ou sair do País por motivos judiciais; o magistrado negou o pedido de procuradores para que ex-presidente fosse proibido de se sair de São Bernardo do Campo-SP, ou região metropolitana de São Paulo, sem prévia comunicação ao juízo
Atendendo a um pedido do MPF, o juiz federal Ricardo Leite, da 10ª Vara, determinou à PF a inclusão do nome do ex-presidente Lula no Sistema de Procurados e Impedidos, um banco com os dados de pessoas impedidas de entrar ou sair do País por motivos judiciais; o magistrado negou o pedido de procuradores para que ex-presidente fosse proibido de se sair de São Bernardo do Campo-SP, ou região metropolitana de São Paulo, sem prévia comunicação ao juízo (Foto: Leonardo Lucena)

247 - Atendendo a um pedido do Ministério Público Federal (MPF), o juiz federal Ricardo Leite, da 10ª Vara, determinou à Polícia Federal a inclusão do nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Sistema de Procurados e Impedidos, um banco com os dados de pessoas impedidas de entrar ou sair do País por motivos judiciais.

Quem pode acessar as informações no bando de dados são policiais nos aeroportos, nos portos, fronteiras e na emissão de passaporte. A PF informou que já cumpriu a determinação.

O magistrado negou o pedido dos procuradores da República Anselmo Lopes e Hebert Mesquita para que ex-presidente fosse proibido de se ausentar de São Bernardo do Campo-SP, ou região metropolitana de São Paulo, sem prévia comunicação ao juízo. “A restrição de sua locomoção no âmbito nacional não possui idoneidade para violar a aplicação da lei penal”, justificou.

Lula foi condenado sem provas na quarta-feira (24) pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com sede em Porto Alegre, as 12 anos de prisão no processo envolvendo o triplex no Guaruja. Apesar de o MPF ter acusado o petista de ter recebido o apartamento como propina da OAS, a juíza Luciana Correa Torres de Oliveira, da 2ª Vara de Execução e Títulos no Distrito Federal, determinou a penhora dos bens da empreiteira e um dos ativos penhorados é justamente o triplex que a Lava Jato atribuiu a Lula.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247