Novo orçamento prevê cortes drásticos na saúde e aumenta gastos com militares para 1/5 dos investimentos

Os investimentos na área de saúde retornarão aos níveis pré-pandemia, enquanto os repasses aos militares passarão a representar 22% do total de gastos para o governo federal

www.brasil247.com -
(Foto: FERNANDO FRAZÃO/ABR)


247 - O orçamento para 2021 vem sendo debatido no Congresso Nacional e deve incluir uma série de alterações graves. 22% do total para todo o governo federal (R$ 8.3 bilhões) serão destinados ao Ministério da Defesa, segundo relatório do senador Márcio Bittar (MDB-AC).

O orçamento da pasta foi um dos únicos a subir (de R$ 8.17 bi para R$ 8.32 bi), enquanto o Ministério da Saúde vê uma redução de mais de R$ 35 bi, responsável por retornar investimentos a níveis pré-pandemia.

As Forças Armadas querem construir submarinos convencionais e nucleares, adquirir aeronaves de caça, desenvolver seu cargueiro tático e comprar veículos blindados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O orçamento da Saúde previsto para 2021 é de R$ 125.8 bi. Em 2020, primeiro ano da pandemia, foram R$ 160.9 bi e, em 2019, quando não havia pandemia, R$ 122,2 bi. Este orçamento ainda pode contar com créditos extraordinários, que não estão incluídos no teto de gastos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Em meio à pandemia, há queda nominal e real de recursos para o SUS. Se observarmos o Orçamento aplicado em 2020. Incluindo os créditos extraordinários, a queda em 2021, considerando a Lei Orçamentária, é de R$ 36 bilhões”, calcula Bruno Moretti, assessor no Senado e especialista em gastos em saúde, ao Estadão.

O Ministério do Desenvolvimento Regional foi um dos maiores beneficiados, saindo de um orçamento de R$ 6,5 bilhões para R$ 10,7 bilhões em 2021.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Somente em emendas, parlamentares aprovaram R$ 22.2 bilhões, aponta o relatório. O valor representa um incremento de R$ 6 bi em relação ao ano passado.

Este valor será usado por parlamentares para construírem obras em suas regiões e tipicamente é oferecido em troca de apoio no Congresso. A maior parte dos projetos não poderá ser executada por conta do teto de gastos.

O teto de gastos impõe uma meta de R$247 bi para 2021. Para atingi-la, o governo corta investimentos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Até a votação do texto final, o orçamento pode ser alterado.

As informações foram reportadas no Estadão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email