ONU diz que há evidência de “diversas dimensões de racismo” em morte de João Beto

"O debate sobre a eliminação do racismo e da discriminação racial é, portanto, urgente e necessário", diz nota da entidade

João Alberto Silveira Freitas é assassinado por policiais. Caso gera revolta e comoção no País
João Alberto Silveira Freitas é assassinado por policiais. Caso gera revolta e comoção no País (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Metrópoles - escritório da Organização das Nações Unidas (ONU) manifestou preocupação com a morte de João Alberto Silveira Freitas, conhecido como João Beto, espancado por dois seguranças de um supermercado da rede Carrefour em Porto Alegre.

“A violenta morte de João, às vésperas da data em que se comemora o Dia da Consciência Negra no Brasil, é um ato que evidencia as diversas dimensões do racismo e as desigualdades encontradas na estrutura social brasileira”, afirmou a entidade em nota.

Na carta aberta, a ONU cita números da violência racial no Brasil, apontando que 75% das vítimas de homicídio no Brasil são negras, e sugere que o poder público se engaje mais na questão.

“O debate sobre a eliminação do racismo e da discriminação racial é, portanto, urgente e necessário, envolvendo todas e todos os agentes da sociedade, inclusive o setor privado.”

Confira a reportagem completa no site Metrópoles.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email