Para Adams, impeachment perdeu “fôlego”

Advogado-geral da União lembra que não há consenso sobre o assunto nem mesmo na oposição; "Um país que sofra um processo de cassação sem uma unidade é um país que se fratura, e essa é uma fratura política muito pesada, muito forte, muito complicada. Por isso que eu acho que esse processo de cassação não tem fôlego para sobreviver", analisa; segundo ele, o governo tem "pressa" para tirar o assunto da pauta

O advogado-geral da União, Luiz Inácio Adams presta depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito da Petrobras (José Cruz/Agência Brasil)
O advogado-geral da União, Luiz Inácio Adams presta depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito da Petrobras (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, avalia que o processo de impeachment perdeu "fôlego" e destaca que não há união sequer na oposição, principal articuladora do movimento que defende o afastamento da presidente Dilma Rousseff.

"Um país que sofra um processo de cassação sem uma unidade é um país que se fratura, e essa é uma fratura política muito pesada, muito forte, muito complicada. Por isso que eu acho que esse processo de cassação não tem fôlego para sobreviver", analisou o ministro, ao Estado de S. Paulo.

Segundo ele, porém, o governo ainda tem "pressa" para tirar o assunto da pauta. "Pressa a gente tem. Mas o problema é que o processo está paralisado, e a retomada depende da Câmara", observa. Ele afirma que o governo vai trabalhar no que for possível para acelerar o processo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247