Pesquisa aponta que 72% são contra volta às aulas antes da vacina

Maioria esmagadora se opõe à volta às aulas no momento em que a pandemia persiste em níveis elevados e não há ainda uma vacina contra a Covid-19

(Foto: USP Imagns | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Pesquisa do Ibope mostra que para 72% dos entrevistados os alunos só devem retornar presencialmente às escolas depois que uma vacina para o novo coronavírus estiver disponível. A pesquisa foi feita entre os dias 21 e 31 de agosto, pela internet, com 2.626 pessoas. 

O Amazonas é o único estado em que as aulas presenciais foram retomadas. São Paulo e o Rio Grande do Sul liberam as aulas a partir desta terça-feira (8). Entre o próximo dia 14 até outubro, outros estados também autorizarão a volta às aulas: Rio de Janeiro, Piauí, Pernambuco e Pará. O Acre está em fase de planejamento e os outros 19 estados ainda não têm data definida, informa O Globo.

O Ibope mostra que 54% concordam totalmente com a afirmação de que o retorno dos alunos à sala de aula só deve ocorrer quando houver uma vacina; outros 18% concordam parcialmente; 12% não concordam, nem discordam. Outros 7% discordam parcialmente; 6% discordam completamente; e 3% não souberam responder.

Responsáveis pelos alunos, professores e profissionais da educação consideram que a volta às aulas eleva o risco de contaminação das crianças e jovens. 

Pesquisas científicas demonstram que crianças podem ser mais contagiosas do que adultos, inclusive aqueles em quadro severo da doença, ainda que apresentem sintomas mais leves.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email