Pesquisa com 53 países mostra que Bolsonaro é o governante que pior enfrenta a Covid-19

Levantamento revela que brasileiros formam hoje o povo mais insatisfeito do mundo com a forma como seu governo enfrenta o coronavírus

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Sputnik - O Brasil, em uma lista de 53 países, é a nação que pior responde à pandemia de COVID-19. O dado é de pesquisa da Dalia Research que coletou entrevistas de 124 mil pessoas pela Internet.

De acordo com o levantemento, as amostras de entrevistas de cada país variaram de mil até três mil entrevistados. A margem de erro é de 3,25% para mais ou para menos.

A maioria (70%) da população dos países pesquisados está satisfeita com a resposta governamental ao coronavírus. No Brasil, contudo, apenas 34% dos entrevistados afirmou estar contente com a gestão da crise de saúde pública. 

Do outro lado da tabela, a China tem a população mais satisfeita com a resposta à pandemia, 95% da população afirmou estar satisfeita com a resposta governamental. Vietnã (95%), Grécia (89%), Malásia (89%) e Irlanda (87%) completam a lista de países onde a população está contente com a resposta do governo ao coronavírus.

"A insatisfação da população [do Brasil] tem relação direta com a maneira como o governo federal tem enfrentado a pandemia. Em menos de seis meses, três pessoas já ocuparam a pasta do Ministério da Saúde, com discursos e ações discrepantes entre si. Nesse período, nenhum plano nacional de combate a COVID-19 foi apresentado à sociedade", afirma à Sputnik Brasil a doutora em sociologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Rachel Barros.

O primeiro ministro da Saúde a enfrentar a pandemia foi Luiz Henrique Mandetta, que deixou o cargo em 16 de abril. Deste então, Mandetta não poupou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de críticas. Seu sucessor foi Nelson Teich, que ficou no cargo de 17 de abril até 15 de maio. O atual ministro está no cargo de maneira interina, o general Eduardo Pazuello, embora Bolsonaro tenha afirmado que ele deve ocupar a cadeira "por um longo tempo". 

Pazuello nomeou militares e contrariou orientações de distanciamento social para participar de ato pró-governo em Brasília. 

"Podemos somar a esse quadro a crise do sistema público de saúde, que em diversos estados do país já dava mostras de precarização. Com a pandemia, essa situação ficou ainda mais explícita porque os investimentos públicos neste setor têm sido insuficientes", diz Barros. "Através de diversas declarações, o presidente demonstrou descaso e baixíssima capacidade de enfrentar a pandemia com a seriedade e importância que ela merece."

O secretário-executivo do Centro de Estudos Estratégicos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Assis Mafort também afirma que as diversas trocas de comando no Ministério da Saúde são um fator que ajuda a explicar o resultado da pesquisa. Mafort destaca a falta de coordenação com estados e municípios no trabalho de enfrentamento à pandemia.

"Há um certo esvaziamento do papel de coordenação nacional exercido pelo Ministério da Saúde na organização, na estruturação das ações nacionais de combate à pandemia", diz Mafort à Sputnik Brasil.

O servidor da Fiocruz também ressaltou o apoio de Bolsonaro a medicamentos sem eficácia comprovada: "É importante mencionar o incentivo dado, em vários momentos, ao uso de medicamentos como cloroquina e hidroxicloroquina sem a comprovação científica no tratamento de COVID-19."

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247