PF acusa Raquel Dodge de blindar Temer

A Polícia Federal solicitou à Procuradoria-Geral da República a quebra dos sigilos fiscal, bancário e telefônico de Michel Temer há dois meses, e ainda não obteve resposta da procuradora-geral, Raquel Dodge; a solicitação é relacionada ao inquérito que investiga o esquema nos portos, em que Temer é suspeito de favorecer empresas do setor; o pedido de quebra de sigilo fiscal, telefônico e bancário foi encaminhado à PGR quatro dias depois de o delegado responsável pelo caso, Cleyber Lopes, receber um relatório em que analistas da PF afirmaram ser "necessária" a quebra dos sigilos de Temer e de outros investigados

A Polícia Federal solicitou à Procuradoria-Geral da República a quebra dos sigilos fiscal, bancário e telefônico de Michel Temer há dois meses, e ainda não obteve resposta da procuradora-geral, Raquel Dodge; a solicitação é relacionada ao inquérito que investiga o esquema nos portos, em que Temer é suspeito de favorecer empresas do setor; o pedido de quebra de sigilo fiscal, telefônico e bancário foi encaminhado à PGR quatro dias depois de o delegado responsável pelo caso, Cleyber Lopes, receber um relatório em que analistas da PF afirmaram ser "necessária" a quebra dos sigilos de Temer e de outros investigados
A Polícia Federal solicitou à Procuradoria-Geral da República a quebra dos sigilos fiscal, bancário e telefônico de Michel Temer há dois meses, e ainda não obteve resposta da procuradora-geral, Raquel Dodge; a solicitação é relacionada ao inquérito que investiga o esquema nos portos, em que Temer é suspeito de favorecer empresas do setor; o pedido de quebra de sigilo fiscal, telefônico e bancário foi encaminhado à PGR quatro dias depois de o delegado responsável pelo caso, Cleyber Lopes, receber um relatório em que analistas da PF afirmaram ser "necessária" a quebra dos sigilos de Temer e de outros investigados (Foto: Gisele Federicce)

247 - A Polícia Federal diz que a Procuradoria Geral da República (PGR) tem dificultado a quebra de sigilos de Michel Temer no âmbito do inquérito do esquema nos portos, em que Temer é suspeito de favorecer empresas do setor por meio de um decreto presidencial assinado em 2017.

Segundo reportagem do Globo, que teve acesso ao documento, a PF solicitou à PGR a quebra dos sigilos fiscal, bancário e telefônico de Temer há dois meses, dia 19 de dezembro de 2017, e ainda não obteve resposta ao pedido por parte da procuradora-geral, Raquel Dodge.

O pedido foi encaminhado à PGR quatro dias depois de o delegado responsável pelo caso, Cleyber Lopes, receber um relatório em que analistas da PF afirmaram ser "necessária" a quebra dos sigilos de Temer e de outros investigados. O documento também pede a prorrogação do prazo da investigação por 60 dias.

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247