PF cumpre mandados de busca e apreensão contra garimpeiros ilegais no território Yanomami

As investigações começaram em 2018, quando os suspeitos foram abordados pelo Exército brasileiro

(Foto: Victor Moryama/ISA/Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - A Polícia Federal (PF) do Brasil está cumprindo hoje (26) três mandados de busca e apreensão contra um grupo responsável por coordenar uma operação de garimpo ilegal em território Yanomami, no norte do país.

De acordo com o portal G1, as investigações indicam que uma dupla é suspeita de gerenciar as operações na área indígena Yanomami, recrutando garimpeiros e mergulhadores, enquanto o terceiro investigado é acusado de fornecer apoio logístico e material para outros garimpeiros da região. Segundo a PF, o grupo também possui balsas e maquinário para extração de ouro.

A corporação informou que as investigações começaram em 2018, depois que um caminhão que transportava pessoas, mantimentos e materiais na região de garimpo ilegal, que fica às margens do Rio Uraricoera, foi abordado pelo Exército brasileiro e nele estavam dois dos suspeitos que são alvos da operação realizada hoje (26). 

A 1ª Vara da Justiça Federal em Roraima expediu os três mandados de busca e apreensão após representação da autoridade policial e parecer favorável do Ministério Público Federal.

A operação foi batizada de Rêmora, em referência ao peixe que estabelece uma relação de comensalismo com predadores maiores - como, por exemplo, o tubarão - e sobrevive graças ao restos de suas presas, uma situação semelhante à relação de dependência entre as atividades de "pequenos" garimpeiros com grupos maiores.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247