Piovesan diz que deixa governo golpista e escravocrata com consciência tranquila

A secretária nacional de Cidadania da gestão Michel Temer, Flávia Piovesan,  prestes a sair do cargo rumo à CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos), criticou abertamente o governo nesta semana por causa das mudanças nas regras para inspeção do trabalho escravo; Piovesan diz que enfrentou pressões internas, principalmente do Ministério do Trabalho; a professora diz que deixa governo Temer com a consciência tranquila

Flavia Piovesan
Flavia Piovesan (Foto: Giuliana Miranda)

247 - Prestes a sair do cargo rumo à CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos), a secretária nacional de Cidadania da gestão Michel Temer, Flávia Piovesan, se viu no dever de criticar o governo nesta semana por causa das mudanças nas regras para inspeção do trabalho escravo.

Para ela, a autonomia foi uma das marcas de sua passagem pelo governo. "Às vezes com preço, às vezes com uma censura posterior."

Piovesan diz que enfrentou pressões internas, principalmente do Ministério do Trabalho. Cobrava providências do órgão contra o problema não só como secretária, mas também como presidente da Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo. Foi como representante do conselho que, em nota divulgada na segunda-feira (16), ela pediu a revogação da medida.

No governo desde maio de 2016, quando a Secretaria de Direitos Humanos era subordinada ao Ministério da Justiça, em fevereiro a professora e advogada passou a responder à ministra de Direitos Humanos, mas suas funções foram mantidas.

"Eu sentia e sinto tensões com o Ministério do Trabalho. Foi uma das áreas mais sensíveis, ao defendermos a lista suja do trabalho escravo e criticarmos a nova portaria, que no nosso entendimento compromete a fiscalização."

As informações são de reportagem de Joelmir Tavares na Folha de S.Paulo.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247