Pivô do laranjal do PSL quer liberar cassinos no Brasil

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, pivô do laranjal do PSL, afirmou nesta quarta-feira (20) que a abertura de cassinos em resorts no Brasil é uma "discussão inevitável" e que tende a ser aprovada no país. A única ressalva que apresentou é que "não há ambiente" para a permissão de cassinos que não estejam vinculados a esse tipo de empreendimento hoteleiro

Pivô do laranjal do PSL quer liberar cassinos no Brasil
Pivô do laranjal do PSL quer liberar cassinos no Brasil (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, pivô do laranjal do PSL, afirmou nesta quarta-feira (20) que a abertura de cassinos em resorts no Brasil é uma "discussão inevitável" e que tende a ser aprovada no país. A única ressalva que apresentou é que "não há ambiente" para a permissão de cassinos que não estejam vinculados a esse tipo de empreendimento hoteleiro.

"Vamos abrir uma discussão que é inevitável e específica, que é dos cassinos integrados a resorts. Acredito que uma questão mais ampla não tem ambiente para ser aprovada no Brasil, mas os cassinos integrados a resorts é uma discussão inevitável", disse o ministro.

Em reportagem no jornal Valor Econômico, Álvaro Antônio afirma que "95% dos países desenvolvidos já aprovaram essa medida permitindo cassinos integrados a resorts. No Brasil, não será diferente".

A discussão desse tema tende a gerar novas crises na base de apoio do governo Bolsonaro. A bancada evangélica é contrária aos jogos de azar e vai se opor ao projeto de liberação dos cassinos.

.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247