Povo vai às ruas contra PEC do teto dos gastos

Um grande ato aconteceu na Avenida Paulista, em São Paulo, com estimativa de 20 mil pessoas, e outro na Cinelândia, no Rio de Janeiro, contra a PEC 241, que congelará os gastos públicos por 20 anos, na noite desta segunda-feira 17; no Rio, bombas de gás foram detonadas quando o ato passou na Avenida Chile; segundo a polícia, manifestantes mascarados jogaram fogos no Batalhão de Choque da PM; outro protesto contra a medida polêmica proposta pelo governo Temer lota as ruas de Belo Horizonte

Um grande ato aconteceu na Avenida Paulista, em São Paulo, com estimativa de 20 mil pessoas, e outro na Cinelândia, no Rio de Janeiro, contra a PEC 241, que congelará os gastos públicos por 20 anos, na noite desta segunda-feira 17; no Rio, bombas de gás foram detonadas quando o ato passou na Avenida Chile; segundo a polícia, manifestantes mascarados jogaram fogos no Batalhão de Choque da PM; outro protesto contra a medida polêmica proposta pelo governo Temer lota as ruas de Belo Horizonte
Um grande ato aconteceu na Avenida Paulista, em São Paulo, com estimativa de 20 mil pessoas, e outro na Cinelândia, no Rio de Janeiro, contra a PEC 241, que congelará os gastos públicos por 20 anos, na noite desta segunda-feira 17; no Rio, bombas de gás foram detonadas quando o ato passou na Avenida Chile; segundo a polícia, manifestantes mascarados jogaram fogos no Batalhão de Choque da PM; outro protesto contra a medida polêmica proposta pelo governo Temer lota as ruas de Belo Horizonte (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Três capitais foram palco de grandes manifestações contra a PEC 241, que congela os gastos públicos por 20 anos, na noite desta segunda-feira 17. A proposta apresentada pelo governo de Michel Temer vem causando polêmica por limitar os investimentos em áreas como educação e saúde.

Na Avenida Paulista, em São Paulo, a estimativa é que cerca de 20 mil pessoas participaram do protesto, que acabou se unindo ao ato do MTST que acontecia no mesmo local, em defesa de moradias e que se concentrou em frente à sede da Presidência da República da capital paulista.

O ato foi convocado pelas redes sociais e organizado pelo coletivo Democracia na Real. Um vídeo divulgado pelo Mídia Ninja mostra a manifestação sendo seguida de perto por centenas de policiais enfileirados, uma "forma de intimidar a população", conforme apontou o veículo.

O protesto na Cinelândia, no Rio de Janeiro, teve bombas de gás lacrimogêneo detonadas quando a multidão passou pela Avenida Chile. Segundo a Polícia Militar, manifestantes mascarados jogaram fogos no Batalhão de Choque da corporação.

Segundo reportagem do Mídia Ninja, o ato "serviu de estreia para Roberto Sá à frente da Secretaria Estadual de Segurança. Logo em seu primeiro dia, a velha polícia mostrou sua força. Reprimiu mesmo manifestantes parados, pacíficos, que tomavam o centro do Rio para protestar contra os cortes nos gastos públicos e contra o governo de Michel Temer".

"Barbárie! Estamos aqui trancados dentro do Amarelinho na Cinelândia depois que a Polícia Militar jogou varias bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta em quem estava fora e DENTRO do restaurante e depois de uma manifestação pacífica contra a #PEC241 Covardia e terror!", relatou uma manifestante no Facebook.

Outro protesto contra a medida polêmica proposta pelo governo Temer lotou as ruas de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247