Presidente da OAB pede abertura dos sigilos fiscais, bancários e telefônicos do clã Bolsonaro

O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, defendeu que Jair Bolsonaro e seus filhos Flavio, Carlos e Eduardo abram seus sigilos: "seria a hora do presidente e seus filhos abrirem seu sigilos e dos gabinetes da família provando que são inocentes. É hora de o presidente Bolsonaro abrir o sigilo e provar que não deve nada"

(Foto: Reprodução | Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, defendeu nesta quinta-feira (19) a abertura dos sigilos fiscais, bancários e telefônicos pessoais e de seus gabinetes parlamentares de Jair Bolsonaro e dos filhos Flavio, Carlos e Eduardo, que constituem o clã Bolsonaro..

A declaração de Santa Cruz acontece sob o impacto das revelações desta quarta-feira sobre as investigações do MP do Rio de Janeiro sobre o esquema de corrupção no gabinete do então deputado estadual e agora senador Flávio Bolsonaro.

Santa Cruz disse a coluna de  Lauro Jardim que “as acusações são muito graves, mas devemos garantir aos Bolsonaro a presunção de inocência. Agora seria a hora do presidente e seus filhos abrirem seus sigilos e dos gabinetes da família provando que são inocentes. É hora de o presidente Bolsonaro abrir o sigilo e provar que não deve nada. É o momento do presidente demonstrar que a prática não era sistêmica nos gabinetes da família”.

Ele sugeriu que deveriam ser abertos também os sigilos dos parentes de Bolsonaro que moram no Vale da Ribeira, em São Paulo. Completa Santa Cruz: “Tem que abrir inclusive do núcleo do Vale do Ribeira que explora atividades comerciais. Só assim Bolsonaro pode acalmar o país. À mulher de Cesar não lhe basta ser séria, tem que parecer séria. Basta que o presidente apresente ao ministro Sérgio Moro e ao MP a documentação necessária para auditoria.”

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247